quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Epilepsia e doença celíaca


Intolerância ao gluten: Complicações da doença celíaca e a epilepsia em crianças com intolerância ao gluten


Uma síndrome associando a doença celíaca e a epilepsia com calcificações cerebrais se assemelha a síndrome de Sturge-Weber.
Desde então, mais de 70 casos foram relatados na literatura de mais de dez países diferentes. A associação é rara: dado que a epilepsia afeta aproximadamente 1 em cada 100 indivíduos, e que foi encontrado que a doença celíaca pode estar presente em um em 44 pacientes com epilepsia.
Quando as calcificações occipitais estão incluídas na definição, a prevalência da síndrome é menor que 1 em 5000. Nenhum caso familiar foi relatado até agora e a etiologia permanece desconhecida.
Pacientes com sintomas sugestivos de síndrome de má absorção na infância, mas a doença celíaca não é sempre diagnosticado antes do início das crises.Estes começam com idade média de sete anos, sendo parcial ou generalizada.
A poucos marcadores sorológicos de doença celíaca que devem ser procurados, especialmente o anticorpo do tipo IgA antiendomisium.
Biópsia de intestino delgado pode revelar diferentes níveis de atrofia.
A tomografia computadorizada mostra alterações bilaterais, geralmente simétrica e calcificações occipitais nas camadas cortical ou subcortical.
Uma dieta livre de glúten, se iniciou logo após o início da epilepsia, induzindo a uma redução significativa na freqüência das crises.
A doença celíaca deve ser afastada em todos os casos de epilepsia, calcificações cerebrais de origem inexplicada e síndrome de má absorção na infância.
Veja mais sobre a doença celíaca, intolerância ao glúten, calcificações occipitais, doença cerebral, epilepsia na infância, acesse estas categorias no site ou clique nos links desta página.