terça-feira, 4 de outubro de 2011

Desvendando rótulos de alimentos - parte 2


Como ler rótulos de alimentos

outubro 4, 2011
Para quem é intolerante ou alérgico a um ou mais alimentos, a leitura de rótulos passa a ser parte da sua rotina. Mas essa pode ser uma tarefa exaustiva e angustiante se você não conhece o nome de ingredientes e sua origem. Ácido lático é um derivado do leite? O que é albumina? E caseinato? Nossa matéria traz dicas de como você pode ler rótulos e fazer o download de cartões para auxiliar suas compras no supermercado.
Muitas pessoas pedem listas prontas com nomes e marcas de produtos, mas qualquer tentativa de organizar tais listas pode não só ser pouco útil como até por em risco a saúde de pessoas com alergia. Isso porque não existe controle no Brasil sobre a mudança na composição de produtos. Por exemplo: um pão que hoje não leva leite em sua composição, amanhã sua fórmula pode ser modificada e passar a conter leite, sem nenhum aviso prévio ao consumidor. Por isso, aprender a ler rótulos de produtos é a forma mais segura de saber o que você está comendo ou oferecendo aos seus filhos.

Baixe os nossos cartões

Nesta matéria você confere dicas importantes sobre como ler rótulos de produtos e ainda poderá baixar os cartões elaborados com exclusividade pelo Semlactose para dietas livres de proteínas do leite e dietas livres de lactose. Baixe o documento em PDF, recorte os cartões que você necessita e leve-os sempre com você. Em breve vamos elaborar e disponibilizar cartões para alérgicos à soja e ao ovo.

Dicas

1. COMPRE UMA LUPA (sim, uma lupa!) pequena e leve-a sempre que fizer suas compras. Muitos rótulos são pequenos demais para serem lidos a olho nu. A lupa vai ajudar você a ler os ingredientes com mais facilidade e rapidez.
2. PODE CONTER … –  Não há uma regulamentação que exija do fabricante que ele informe se seu produto sofreu uma contaminação cruzada ou não. Em muitos casos, alguns fabricantes utilizam esta informação como uma forma de se salvaguardarem. Em outras palavras, eles querem dizer: “este produto foi fabricado em um maquinário compartilhado com outros produtos que contêm ingredientes alérgenos e nós não sabemos ao certo se nosso produto realmente contém traços de alérgenos ou não. Se você for alérgico, é melhor não consumir nosso produto.”
3. TRAÇOS DE LEITE, SOJA, OVOS, ETC – Para quem possui uma alergia severa a algum alimento, todo o cuidado é pouco. Além de ler o rótulo do alimento para certificar-se de que não há o ingrediente causador da alergia, também é necessário entrar em contato com o SAC do fabricante para confirmar se o produto pode conter traços do ingrediente alérgeno. O que ocorre muitas vezes é um determinado alimento, como um biscoito sem leite, por exemplo, ser fabricado logo após a fabricação de biscoitos com leite. Isso causa o que chamamos de contaminação cruzada. Em outras palavras, é como se você preparasse um bolo com leite em um recipiente, não lavasse este recipiente, e logo em seguida usasse este mesmo recipiente para preparar um bolo sem leite. O segundo bolo vai adquirir aquele restante de massa que havia ficado no recipiente de preparação do primeiro bolo.
4. LIGUE PARA O SAC se você ainda tem dúvidas. O Serviço de Atendimento ao Cliente tem a obrigação de prestar todas as informações relativas aos produtos, principalmente em caso de intolerâncias e alergias alimentares.
5. USE AS REDES SOCIAIS para sugerir mudanças nos rótulos dos produtos. Hoje, apenas a informação “CONTÉM / NÃO CONTÉM GLÚTEN” é obrigatória por lei. Mas nada impede que fabricantes adicionem informações como CONTÉM PROTEÍNA LÁCTEA, LACTOSE, SOJA, OVO, NOZES e outros alérgenos. Ao usar as redes sociais dos fabricantes para fazer essas sugestões, você pode estimular outros consumidores que também têm a mesma necessidade a fazer o mesmo. Com isso, as empresas podem perceber a importância de uma rotulagem mais informativa e segura.
6. SEM LACTOSE nem sempre significa sem proteínas do leite!!! É fundamental que esta diferença seja feita para não correr o risco de oferecer um alimento errado ao seu filho. Uma exemplo são iogurtes e queijos elaborados com leite animal. Eles podem ser sem lactose, mas certamente não serão livres de proteínas do leite! Se o seu problema é a proteína do leite, é este ingrediente que você deve evitar!
7. LEIA O RÓTULO DE PRODUTOS SEMPRE, mesmo aqueles que você já está acostumado a comprar. Não existe regulamentação que exija do fabricante uma notificação oficial sobre uma mudança na composição do produto. Observe principalmente se embalagem estiver diferente. Junto com a mudança no estilo e nas cores da embalagem, pode ter havido uma mudança na composição do produto.
8. BAIXE os nossos cartões, recorte-os e leve-os ao supermercado para ajudar você na hora das compras. Faça uma cópia para entregar à escola do seu filho assim como para outras pessoas da família. Às vezes a criança pode ir para a casa dos tios ou avós e essas pessoas também precisam saber como lidar com a alimentação de alérgicos e intolerantes.
Participe! Colabore com o conteúdo do Semlactose. Envie sugestões de temas para serem abordados, dicas sobre novos produtos sem lactose, etc. Para enviar a sua mensagem acesse nossa página de Contato.
Redação Semlactose