O que são Doenças Auto Imunes



Durante esta semana, irei debater com vocês a questão de doenças autoimunes e nutrição funcional como método não de tratamento, mas de diminuição dos sintomas. Para quem não sabe, uma doença autoimune é uma condição que ocorre quando o sistema imunológico ataca e destrói tecidos saudáveis do corpo por erro. Sim, exatamente o que você leu! Esse erro ocorre porque os leucócitos, produzidos na medula óssea e encontrados no sangue, que normalmente deveriam ajudar a proteger o corpo contra substâncias invasoras e nocivas (os antígenos), não os distinguem dos tecidos saudáveis do corpo e acabam desta forma, destruindo células normais do organismo. Acontece que este “errinho básico” que o nosso corpo tem, pode nos causar doenças que normalmente não possuem “cura definitiva”, mas necessita de tratamento para reduzir sintomas, controlar o processo autoimune e retomam o funcionamento normal do sistema imunológico, mantendo a capacidade natural do corpo de combater os antígenos.
O pior é que não se sabe exatamente quais são as causas para que este tipo de doença aconteça, mas a teoria mais aceita atualmente é que o sistema imunológico, após ser exposto a um antígeno, escolha como alvo para a produção de anticorpos uma proteína semelhante a outra já existente em nosso organismo. Isto pode ser visto no caso da síndrome de Guillain-Barré, que frequentemente apresenta um quadro de diarreia infecciosa causada pela bactéria Campylobacter jejuni, semanas antes da doença de fato de manifestar. Tem-se como tese que o sistema imunológico possa criar anticorpos contra algumas das proteínas das bactérias que sejam “parecidas” com proteínas existentes em nossos neurônios, contribuindo assim para a confusão de anticorpos, que atacam as estruturas do sistema nervoso, achando que estão atacando a bactéria Campylobacter jejuni, como é o caso do exemplo. A maioria das doenças autoimunes é crônica, mas algumas podem ser controladas com tratamentos, e irei falar sobre isso durante a semana. Por enquanto, é necessário se atentar ao fato de que essas doenças podem causar complicações graves, como a destruição de um ou mais tipos de tecidos do corpo, o crescimento anormal de um órgão e até alterações nas funções destes órgãos. Dentre as partes mais afetadas, estão os vasos sanguíneos, tecidos conjuntivos, glândulas endócrinas, articulações, músculos, glóbulos vermelhos e a pele. Por serem mais de 80 doenças autoimunes, não dá para citar todas, mas as mais conhecidas são: lúpus, vitiligo, diabetes do tipo 1, esclerose múltipla, hepatite autoimune, doença de chron, psoríase, doença celíaca, artrite reumatoide, anemia perniciosa, entre muitas outras.
http://drbarakat.com.br/o-que-sao-as-doencas-autoimunes/

Exame de sangue para diagnóstico da doença celíaca pode ser positivo em não celíacos devido à infecções

 Por isto o diagnóstico da doença celíaca devem ser dados mediante a um conjunto de exames e sintomas! O médico precisa ser especialista no assunto!

Um novo estudo realizado por pesquisadores italianos revela que anticorpos anti-transglutaminase – um marcador serológico para o diagnóstico da doença celíaca – podem ser produzidos temporariamente em crianças com doenças infecciosas, independentemente da ingestão de glúten.
Anti-transglutaminase and Celiac DiseaseA doença celíaca se caracteriza por uma intolerância permanente ao glúten (uma proteína presente no trigo, cevada e centeio) em pessoas geneticamente predipostas à doença. Para estas pessoas, o glúten desencadeia uma reação auto-imune e inflamatória no intestino, a qual danifica os seus tecidos e requer portanto a eliminação permanente do glúten da dieta. O diagnóstico da doença celíaca baseia-se em uma combinação de dados clínicos, histológicos (sendo aqui a biópsia do intestino delgado essencial para confirmação do diagnóstico) e serológicos (obtidos através de exame de sangue). Entre os exames serológicos, a dosagem de anticorpos anti-transglutaminae é considerada atualmente um dos exames mais específicos para o diagnóstico da doença.
Um novo estudo publicado no mês de novembro sugere no entanto que os níveis dos anticorpos anti-transglutaminase podem também estar elevados temporariamente em crianças não celíacas que estejam com alguma doença infecciosa.
Os pesquisadores coletaram amostras de sangue de 222 crianças com doenças infecciosas diversas e as testaram para a presença de anticorpos anti-transglutaminase e anticorpos anti-endomísio, também um marcador para o diagnóstico da doença celíaca. No caso daquelas crianças para as quais um ou ambos os exames foram positivos, os pesquisadores testaram também a presença de marcadores genéticos da doença (moléculas HLA DQ2 e DQ8, as quais se acredita sejam necessárias para o desenvolvimento da doença) bem como a presença de anticorpos para as seguintes doenças infecciosas: vírus Epstein–Barr, rotavirus, adenovirus, ecovirus e Coxsackievirus. Os pesquisadores também analisaram os resultados de exames para os anticorpos anti-transglutaminase realizados em 1276 crianças saudáveis (sem processos infecciosos).
Das 222 crianças infectadas, 9 (4%) obtiveram resultados positivos para os anticorpos anti-transglutaminase. Dentre estas, apenas uma obteve resultados positivos para os marcadores genéticos da doença celíaca (para esta criança, o diagnóstico da doença se confirmou através de biópsia do intestino, e a criança então passou a seguir a dieta isenta de glúten). Dentre as 8 crianças restantes, os níveis de anticorpos anti-transglutaminase e antivirais retornaram ao normal após um ano, apesar da adoção de uma dieta com glúten. A prevalência de níveis elevados de anti-transglutaminase entre as crianças infectadas também foi significativamente maior que a prevalência destes anticorpos entre crianças saudáveis (8 positivos dentre 222 crianças infectadas comparado à 11 positivos dentre 1276 crianças saudáveis).
A pesquisa também revelou que os anticorpos anti-transglutaminase produzidos devido à presença de infecções em crianças não celíacas tem as mesmas propriedades biológicas que a anti-transglutaminase produzida em celíacos, ou seja, tem o mesmo potencial para danificar os tecidos intestinais [note-se então que infecções crônicas podem assim ser acompanhadas não somente de níveis mais altos de anticorpos, como também de danos à mucosa intestinal].
Os pesquisadores concluem o estudo sugerindo que um aumento nos níveis de anticorpos anti-transglutaminase não ocorre exclusivamente na presença de doença celíaca não tratada, podendo representar um fenômeno imunológico desencadeado por infecções virais – uma observação que deve ser levada em conta por profissionais de saúde na determinação e diagnóstico da presença – ou ausência - da doença celíaca.
Referência Bibliográfica: Ferrara F, Quaglia S, Caputo I, Esposito C, Lepretti M, Pastore S, Giorgi R, Martelossi S, Dal Molin G, Di Toro N, Ventura A, Not T. 2009. Anti-transglutaminase antibodies in non-coeliac children suffering from infectious diseases. Clin Exp Immunol. Nov 12.
--
Citar fonte como: Revista Vida sem Glúten e sem Alergias, 2010 (www.vidasemglutenealergias.com)
http://www.vidasemglutenealergias.com/exame-de-sangue-para-diagnostico-da-doenca-celiaca-pode-ser-positivo-em-nao-celiacos-devido-a-infeccoes/544/

6 possíveis causas para a Tireoidite de Hashimoto

Artigo excelente! Parabéns a dona do blog: http://hashimototemsolucao.blogspot.de/2015/10/6-possiveis-causas-tireoidite-hashimoto.html



"SEIS DIFERENTES CAUSAS RAIZ PARA A TIREOIDITE DE HASHIMOTO

Eu costumo receber mensagens de pessoas com Hashimoto e outras condições autoimunes dizendo "agradeço seus esforços, mas eu já tentei de tudo. Já cortei glúten, lactose e soja e ainda tenho Hashimoto. Como o seu livro pode me ajudar?"

Embora mudar sua dieta seja um primeiro passo importantíssimo que ajudará muitas pessoas, se você não vir uma remissão completa da sua condição num período entre 3 e 6 meses, eu te encorajo a cavar mais fundo. Alterar minha dieta foi um passo muito importante na minha jornada de recuperação, mas foi apenas o início.

Dr. Alessio Fasano, um gastroenterologista especialista em doença celíaca e autoimunidade mundialmente reconhecido descreve a autoimunidade como banquinho de três pés, algo que precisa que três coisas estejam presentes para se manifestar:

1. A predisposição genética
2. O gatilho
3. Permeabilidade intestinal

Apesar de não podemos mudar nossos genes, é possível reverter uma condição autoimune removendo os gatilhos e a permeabilidade intestinal.
(Você pode ler sobre esse novo avanço no estudo sobre a autoimunidade [em português, aqui no blog] e como eu encontrei essa informação aqui [em inglês] )

O Dr. Fasano usa o exemplo da doença celíaca para explicar esse fenômeno. A doença celíaca é uma condição autoimune única, em que o glúten age tanto como o gatilho, quanto como a causa da permeabilidade intestinal! Uma vez removido o glúten, o corpo pode se curar e regenerar.

As infecções tem sido apontadas como gatilhos em muitos casos de autoimunidade, e identificá-las e removê-las pode resultar em uma completa remissão da condição autoimune. Você pode ler mais sobre infecções aqui [em inglês].

Embora nem sempre possamos identificar e remover todos os gatilhos, como, por exemplo, o Vírus Epistein Barr (causador da mononucleose), uma outra opção é consertar a permeabilidade intestinal. Isso permitirá muitas pessoas a colocarem suas condições [autoimunes] em remissão, já que o"banquinho de três pernas" da autoimunidade [- com uma perna a menos -] não poderá mais se sustentar!

Com base na minha pesquisa ao longo dos últimos quatro anos, eu gostaria de compartilhar com vocês 6 possíveis causas raiz da permeabilidade intestinal. É claro que existem muitas outras, mas essas seis são um bom ponto de partida [para começar a investigação]:


Observação: alguns de vocês podem ter mais de uma causa raiz, e eu te encorajo a cavar mais fundo!



1. Sensibilidade ao Glúten

A doença celíaca e a sensibilidade ao glúten vem sendo relacionadas a várias condições autoimunes, desde doenças como Hashimoto e Graves, até Artrite Reumatóide. Diversos testes podem ser feitos para determinar se alguém sofre de doença celíaca/sensibilidade ao glúten, no entanto, essas condições podem nem sempre aparecer nos resultados dos exames. Algumas pessoas não descobrem sua sensibilidade ao glúten até decidir retirá-lo da dieta* 
*[N.T.  por conta do bem estar que sentem sem ele, concluem que existe a sensibilidade]

A sensibilidade ao glúten pode ser a única causa raiz em alguns casos, ou pode ser uma dentre outras causas. Todas as pessoas com alguma condição tireoideana autoimune deveriam retirar o glúten da dieta, pois até mesmo naquelas que não têm doença celíaca ou sensibilidade ao glúten, essa substância pode causar permeabilidade intestinal.

Se o glúten era a única causa raiz, a pessoa deve notar uma completa remissão dos anticorpos tireoideanos e a função de sua tireoide pode até mesmo se normalizar num período de 3 a 6 meses! Se não for esse o caso, é necessário cavar mais fundo...

Tratamento: bem direto ao ponto... Fazer exames que possam constatar doença celíaca ou sensibilidade ao glúten e remover essa substância da sua dieta.

Você pode ler mais sobre o glúten e doenças relacionadas neste link [em inglês]


2. Sensibilidade ao Glúten e Proteínas que causam Reação Cruzada

Além da sensibilidade ao Glúten, portadores da Tireoidite de Hashimoto também podem reagir a diversas outras proteínas, inclusive grãos como arroz, quinoa e milho. Alguns especialistas, como o Dr. Wiliam Davis, autor do livro "Barriga de Trigo", sustentam a teoria de que o organismo humano não se desenvolveu para a ingestão de "gramas", como trigo, arroz ou milho. 

Outras pessoas podem reagir a laticínios, nozes, sementes, os alimentos chamados "nightshades"(ou solanáceos, por se tratarem de plantas da família Solanaceae. Por exemplo: tomates, batatas, beringela, pimentão...).


Alguns laboratórios podem oferecer outras opções de testes para sensibilidades alimentares.



Tratamento de escolhaRealizar testes de sensibilidade, dietas eliminatórias, Dieta Paleo (também conhecida como a "dieta do paleolítico"), Dieta Paleo Autoimune, e, em alguns casos, o rodízio entre dietas pode trazer benefícios. É extremamente positivo trabalhar em conjunto com um(a) profissional de nutrição (nutricionista, nutrólogo) nesses casos. Os suplementos que auxiliam o restabelecimento do revestimento intestinal também podem ser benéficos. Asenzimas sistêmicas podem prevenir reações a novos alimentos e reduzir as que já existem.


Dois dos meus livros de receitas favoritos para esses tipos de dietas podem ser encontrados nos links abaixo [ambos em inglês]:




3. Deficiências de Zinco e/ou Glutamina

O Zinco e a Glutamina estão entre as substâncias necessárias para a reconstrução do revestimento intestinal. Em períodos de estresse, o corpo retira essas substâncias do intestino e as utiliza para outras finalidades, como, por exemplo, a produção de hormônios adrenais.


Na maioria das vezes, essas substâncias tornam-se disponíveis para nós através da alimentação, e as coisas voltam ao normal depois que o período estressante termina, de modo que o revestimento intestinal é reconstruído com novos ingredientes.
Entretanto, isso se torna um problema para pessoas sob estresse prolongado, com baixas quantidades de ácido estomacal (que é necessário para extrair o Zinco das proteínas) ou que seguem dietas com baixas quantidades de proteína animal, incluindo vegetarianos e veganos, tendo em vista que a glutamina é, primordialmente, encontrada nas proteínas de origem animal (inclusive ovos e laticínios).

Alguns indivíduos que seguia dietas vegetarianas/veganas e reintroduziram proteínas de origem animal de volta em sua alimentação conseguiram colocar a Tireoidite da Hashimoto em remissão. Eu acredito que isso se deve ao fato de que a Glutamina e outros ingredientes tornaram possível a reconstrução do revestimento intestinal dessas pessoas. 

Soluções para essa causa raiz:  suplementação da Glutamina, suplementação do Zinco, caldos [à base] de ossos, gelatina, carnes bem cozidas, Betaína com Pepsina (enzimas digestivas que ajudam a extrair o Zinco dos alimentos), e qualquer uma das dietas densas em nutrientes citadas neste post.


Observação: Outros nutrientes, como a Vitamina D, também são necessários para o adequado funcionamento da barreira intestinal. A maioria dessas intervenções e suplementos irá ajudar praticamente todo mundo que tem Hashimoto. Eu mantenho uma list de suplementos recomendados aqui [em inglês]



4.Parasitoses

Você pode achar que os parasitas só estão presentes em países do "terceiro mundo", com populações mal nutridas. Não é bem assim. Dependendo das fontes, 30-70% da população dos EUA pode estar infectada com parasitas. Os atuais métodos de detecção deixam passar muitos parasitas e, honestamente, quantos de vocês têm sido rotineiramente testados para parasitoses?



Um parasita intestinal pode causar um tremendo dano e tem a capacidade de causar permeabilidade intestinal, sensibilidades alimentares e doenças autoimunes. Se você desenvolveu sua condição autoimune após um período prolongado de estresse, eu recomendo fortemente que faça exames [para testar possíveis parasitoses], já que o estresse nos torna mais suscetíveis a parasitas.



Infelizmente, as dietas são uma solução de curto prazo. Pessoas infectadas por parasitas costumam ter diversas sensibilidades alimentares que persistem, independentemente do que comam ou deixem de comer. É possível que, inicialmente, o indivíduo sinta-se melhor depois de remover alimentos sensibilizantes, mas logo voltará a se sentir mal, uma vez que novos alimentos passarão a causar reações. Você pode estar seguindo a dieta perfeita, tomando um monte de suplementos, mas se tiver uma parasitose, nada disso importa: você não vai conseguir se recuperar totalmente. 


Existem muitos tipos de parasitas, incluindo lombrigas, amebas e protozoários. Diferentes tratamentos funcionam para diferentes parasitas, de modo que, embora tomar um antiparasitário de amplo espectro possa ajudar, eu prefiro descobrir os tipos específicos através de exames mais avançados, como, por exemplo, o GI Effects Profile* (Perfil de Efeitos Gastro Intestinais) ou BioHealth Labs 401HPara casos de parasitoses em doenças autoimunes, eu costumo utilizar a abordagem "culpado, até que se prove o contrário", pois já vi muitas pessoas com 5 ou até mesmo 10 exames negativos para parasitas, até sair o resultado de um dos exames acima mencionados, testando positivo. 
*[N.T.: Não sei se esses exames estão disponíveis no Brasil e, caso estejam, como são chamados por aqui. Se alguém souber, por favor, deixe essa informação nos comentários :)] 

Você pode ler mais sobre a abordagem da medicina funcional em relação à tireoide aqui [em inglês].

Solução temporária: probióticos, dietas pobres em carboidratos e outras como a Dieta Paleo Autoimune fazem com que seja mais fácil, para nós, tolerar a sintomatologia das parasitoses, mas isso não vai resultar na eliminação dos parasitas ou da condição autoimune.

Solução: ervas antiparasitárias indicadas para o parasita em questão, medicações antiparasitárias específicas, alguns suplementos, o probiótico S Boulardii e dietas com baixas quantidades de carboidratos também ajudam. 


5. Supercrescimento Bacteriano do Intestino Delgado* - SIBO (sigla do inglês "Small Intestinal Bacterial Overgrowth")
*[Você pode ver um pequeno artigo acadêmico - em português - sobre o assunto neste link]

SIBO consiste em uma superpopulação das bactérias do intestino delgado, que pode ser causada pelo uso indevido de antibióticos, consumo de alimentos ricos em amidos, entre outros fatores. A SIBO resulta na permeabilidade intestinal, na medida em que organismo tenta se livrar do excesso de bactérias.

Exames: A SIBO pode ser detectada através de testes respiratórios [link em português, eba! Ver também esse outro link aqui]

Opções de Tratamento: antibióticos, ervas antimicrobianas, dietas elementares e outras como a Dieta do Carboidrato Específico, dietas não-fermentativas (também conhecidas como dietasLow FODMAP'S )* e dieta GAPS são tratamentos de escolha para a SIBO. 
*[Links sobre isso - em português! - aqui aqui]


6. Infecções por Fungos

O fungo Candida albicans (também causador da candidíase) pode causar permeabilidade intestinal e tem sido relacionado a doenças autoimunes e sensibilidades alimentares. A nutricionista holística Liz Shau fez a gentileza de compartilhar a história de como sua Tireoidite de Hashimoto entrou em remissão depois que ela superou seu problema com a Candida. Leia a história dela neste link [em inglês] 

Exames: Testes intestinais, como o GI Effects profile , podem ajudar a determinar se há um supercrescimento de Candida nos intestinos.

Tratamento:  Probióticos, ervas e medicamentos antifúngicos, dietas anti-candida, como, por exemplo, a dieta Body Ecology . Você pode ler mais sobre a minha experiência com esta última dieta aqui [em inglês] .

Afinal, qual é a sua causa raiz?

Eu te encorajo a esmiúçar (dig at it! - artigo já traduzido aqui no blog). A causa raiz nem sempre é a mesma para todas as pessoas e eu escrevi meu livro para te ajudar a descobrir isso! Eu trato de cada uma das causas mencionadas acima com mais detalhes.