Manual de sobrevivência do Celíaco- Livro Digital

Vejam que bacana que vi na página do facebook do Meu Mundo sem Glúten!

Oiiii gente!

Como prometido estou liberando hoje o link para vocês baixarem o livro digital: O Manual de Sobrevivência do Celíaco :)

Neste livro eu falo sobre a Doença Celíaca e a importância de manter uma dieta livre do Glúten. Também dou algumas opções de farinhas que podemos utilizar na culinária sem glúten, para aquelas pessoas que amam pães e massas <3

Link para baixar >> http://meumundosemgluten.com.br/ebook

Espero que façam bom proveito do material!

Qualquer dúvida pode mandar um e-mail para mim que na medida do possível eu vou respondendo: samara@meumundosemgluten.com.br

Como a Disbiose intestinal afeta sua vida e como tratá-la – Leak Gut


A alimentação pode ser considerada como um dos fatores comportamentais que mais influencia a qualidade de vida das pessoas. Nossa conduta adequada diante da alimentação fez-se necessária, pois os hábitos alimentares e o estilo de vida, nos últimos 40 anos, passaram por diversas modificações, sobrecarregando os diferentes sistemas do organismo. A ingestão do alimento não garante que seus nutrientes estarão biodisponíveis para serem utilizados pelas células. Neste contexto, o intestinos são órgãos de vital importância no nosso corpo. Funcionam como filtros, capazes de permitir ou barrar a entrada de nutrientes necessários ao organismo e de substâncias prejudiciais para a nossa saúde. É preciso nutrir o organismo adequadamente, isto é, ter uma ingestão adequada de alimentos, em quantidade e qualidade, afim de que nosso organismo receba todos os nutrientes essenciais ao seu bom funcionamento e ainda garantir que estes alimentos sejam bem digeridos, absorvidos e utilizados. Este processo é fundamental para determinar o melhor estado físico, mental e emocional. O trato gastrintestinal (TGI) abriga um superorganismo chamado microbiota intestinal (flora intestinal), que é conhecida por desempenhar um papel crucial na digestão e também no desenvolvimento de diversas doenças. O trato gastrintestinal humano contém mais de 10 trilhões de bactérias, abrangendo mais de 500 espécies diferentes. Uma das principais funções da mucosa intestinal é sua atividade de barreira, que impede as moléculas ou microrganismos antigênicos ou patógenos de entrarem na circulação sistêmica. O intestino humano representa o maior órgão linfoide do corpo, desta forma ele é responsável por diversas reações imunológicas, devido a presença de anticorpos, como a imunoglobulina A secretora e outras várias células imunocompetentes. A integridade intestinal está ligada a um equilíbrio das bactérias intestinais e à nutrição saudável de enterócitos e colonócitos, que são células da mucosa intestinal. permeabilidade intestinal Disbiose e sistema imunitário A presença destas bactérias é essencial para o metabolismo, a proteção contra agentes patogênicos e de maturação do sistema imunitário. Em contrapartida, o sistema imunitário determina a composição da microbiota. Composição microbiana alterada pela disbiose tem sido correlacionada com numerosas doenças em seres humanos, devido à redução da imunidade de acordo com artigo publicado no American Jourmal of Transplantation, por pesquisadores do Departamento de Medicina, da Universidade de Chicago. Outro grupo de pesquisadores, da Escola de Medicina da Universidade de Keio em Tókio, relataram que as composição da microbiota intestinal desregulada ou disbiose, pode ser associada com as causas fundamentais da Doença Inflamatória do Intestino (DII) e que a depressão no sistema imunitário intrínseco é um efeito, não uma causa, da DII. Se as paredes intestinais estiverem prejudicadas pode ocorrer um desequilíbrio entre as bactérias protetoras e agressoras do intestino, originando a disbiose intestinal, um distúrbio que pode acarretar , desconforto abdominal , inchaço abdominal , sobrepeso, desnutrição e até o surgimento de outras doenças mais graves, devido a alterações do sistema imunológico, como: câncer esofagite infecções urinárias doenças auto imunes com tioidite Haschimoto , Lupus, artrite reumatóide, depressão, ansiedade, síndrome do Pânico e outros transtornos psíquicos tendo em vista que 90% da serotonina e 50% da dopamina do organismo são produzidas pelo intestino e se comunica com o cérebro pelo sistema nervoso entérico. Entre as possíveis causas da disbiose estão: uso indiscriminado de antibióticos, que matam tanto as bactérias boas assim como as nocivas uso de antiinflamatórios hormonais e não-hormonais abuso de laxantes, o consumo excessivo de alimentos processados em detrimento de alimentos crus a idade o estresse disponibilidade de material fermentável o pH intestinal estado imunitário do hospedeiro. Alérgenos alimentares Uso crônico de inibidores da bomba de prótons – alteram o pH do estaomago o qual tem que ser ácido. Exemplo: omeprazol Açucares , frutose em excesso e farinha de trigo Pode ainda estar associada a outros fatores alimentares, dieta com excesso de proteína, gordura ou carboidrato (uma grande ingestão de carboidrato leva a maior fermentação pelas bactérias no intestino grosso), ou com baixo teor de fibras ou ainda carência de vitaminas. A disbiose inibe a formação de vitaminas produzidas no intestino, como a B12 e permite o crescimento de fungos e bactérias capazes de afetar o funcionamento do organismo, alterando a microbiota intestinal. bacs Disbiose e humor A saúde mental está intimamente ligada à saúde física. A depressão por exemplo, é altamente prevalente em todo o mundo e uma importante causa de incapacidade individual. A depressão pode ter várias causas, podendo ser uma delas a disbiose, de acordo com os cientistas. Em um artigo publicado na Inflammopharmacology no mês passado, pesquisadores do Medlab, em Sydney, Australia afirmam que a microbiota no trato gastrintestinal está implícita como participante importante na melhoria das condições adversas de humor, através das diversas atividades metabólicas exercidas por bactérias benéficas vivas (probióticos) como tratamento adjuvante destas desordens. Tratamento da disbiose O tratamento da disbiose abrange duas linhas, uma dietética, por meio da ingestão de alimentos funcionais, que beneficiam a constituição da microbiota intestinal, e outra usando medicamentos. Os alimentos funcionais que estão relacionados à melhora e à manutenção da microbiota são os probióticos, os prebióticos e os simbióticos. Evidências têm demonstrado que os alimentos probióticos e prebióticos modulam positivamente a composição e a atividade da microbiota intestinal, com consequentes efeitos benéficos sobre a saúde, como o restabelecimento do equilíbrio destes microrganismos, estímulo ao sistema imune, com fortes indícios de que inibam, ainda, atividade carcinogênica. Os Probióticos Se constituem de produtos lácteos, fermentados ou não, que apresentam em sua composição microrganismos vivos que promovem o equilíbrio da microbiota intestinal de indivíduos que os consomem. Esses microrganismos geralmente são provenientes de mono ou múltiplas culturas, representadas principalmente por Lactobacillus, Bifidobacterium, Enterococcus e Streptococcus. Os probióticos atuam no organismo principalmente ao inibir a colonização intestinal por bactérias patogênicas, podendo reduzi-las por produção de substâncias bactericidas, competição por nutrientes e por adesão à mucosa. Ao citar os mecanismos de ação das bactérias probióticas, pode-se destacar também, o estímulo ao sistema imune, que ocorre por meio do aumento dos níveis de anticorpos e ativação dos macrófagos, proliferação de células T e produção de interferon. Os produtos com probióticos, que resistem ao processo de digestão e chegam intactos ao intestino, onde atuam de maneira positiva podem ajudar a reduzir os gases, intestino preguiçoso ou diarreia. Consumidos com regularidade e em doses adequadas, eles ainda reforçam o sistema imunitário, aumentam a absorção do cálcio, reduzem o colesterol ruim e protegem o estômago.Entre os efeitos benéficos que os probióticos proporcionam constam o antagonismo aos agentes patogênicos intestinais, o efeito de barreira da microbiota e a modulação das funções imunes. Estas bactérias estabilizam a microbiota intestinal normal, sendo fundamental para o bom funcionamento do sistema imunológico, melhorando as funções metabólicas do organismo e prevenindo o surgimento de doenças. Estudos indicam que eles ainda podem além de beneficiar o sistema imunitário, aliviar dores musculares, problemas de estômago, doenças crônicas, entre outros. Especialistas ainda recomendam seu consumo para auxiliar o processo de absorção de nutrientes. O iogurte NATURAL ou a COALHADA é uma excelente fonte de prébioticos pro conta da fermentação do leite. Além disso, nutrientes importantes para a saúde, como potássio, fósforo, vitaminas A, B6 e B12, riboflavina, ácido fólico e niacina. Ele possui 10 vezes mais ácido fólico do que o leite utilizado em sua elaboração, por conta da atividade das bactérias envolvidas na fermentação. É bom porque… em 100 g de iogurte integral temos 99 UI de vitamina A, a mesma quantidade que pode ser encontrada em três bananas. Em 100 g do iogurte integral há 95 mg de fósforo. Para ter a mesma quantidade desse mineral, vamos precisar de dois tomates grandes. É interessante que você converse com seu médico sobre o uso de probióticos ao usar algum antibiótico. Os antibióticos, além de matarem as bactérias que estão causando infecções no seu corpo, acabam também matando as bactérias benéficas que vivem no seu intestino, deixando o seu corpo mais susceptível a ataques de organismos como o fungo da Candida, que pode crescer nos intestinos, boca, vagina, pulmões, ou debaixo das unhas. Um bom suplemento de probióticos nesse caso ajudará com a recuperação da flora intestinal. DISBIOSE Intestino – Nosso segundo cérebro Sabemos o básico para manter um cérebro jovem e saudável: se alimentar corretamente, exercícios e ter uma boa noite de sono. Porém, a saúde do cerebral também é influenciada por uma fonte inesperada – o nosso segundo cérebro ou melhor, nosso intestino. Dentro das muralhas do nosso sistema digestivo temos bactérias que podem ajudar a moldar a nossa estrutura cerebral e influenciar nosso humor, comportamento e saúde mental, tais como a probabilidade de desenvolver doenças antes consideradas de origem cerebral. O intestino é capaz de comunicar com o cérebro através do nervo vago. Conhecido como o eixo intestino-cérebro, noventa por cento das fibras do Vago transportam informações do intestino para o cérebro. Esta comunicação acontece através de moléculas que são produzidas por bactérias do intestino que caso fiquem em desequilíbrio, isto é predomínio de más bactérias em relação as boas ou melhor, disbiose, aumentam a chance de distúrbios psiquiátricos e neurológicos, tais como o autismo, a ansiedade, depressão, Alzheimer e doença de Parkinson. Fiquem de olho, se atentem mais no que estão colocando no seu intestino. pro e pre Os Prebióticos São utilizados, diferentemente de probióticos, para designar ingredientes alimentares não digeríveis que beneficiam o hospedeiro por estimular seletivamente o crescimento e/ou a atividade de um número limitado de espécies bacterianas no cólon, sendo capaz de alterar a microbiota intestinal para uma microbiota bacteriana saudável. São carboidratos complexos (considerados fibras), resistentes às ações das enzimas salivares e intestinais, não sendo digeridos e absorvidos no trato gastrintestinal e são fermentados por certas bactérias do cólon. Em consequência, estimulam o crescimento de bifidobactérias e lactobacilos, modificando favoravelmente a composição da microbiota intestinal e/ou estimulando a atividade metabólica destas bactérias. Os prebióticos alteram o trânsito intestinal, reduzindo metabólitos tóxicos, e previnem a diarreia e a obstipação intestinal. Os principais prebióticos são os frutooligossacarídeos (FOS) e a inulina. A eficácia clínica dos FOS vem sendo demonstrada em vários estudos. Os FOS estimulam seletivamente o crescimento de bactérias benéficas, inclusive Lactobacillus e Bifidobacterium, reduzindo as bactérias patogênicas, tais como Salmonella e Clostridium no trato gastrintestinal. A inulina, ao alcançar o cólon, mostra um efeito estimulante preferencial nos números de bifidobactérias. A combinação dos prebióticos com os probióticos forma os simbióticos, constituindo assim um fator multiplicativo no qual a ação é realizada com maior eficiência. Essa junção geralmente contém um componente prebiótico que favorece o efeito do probiótico associado. Entre os alimentos simbióticos pode-se exemplificar os que são compostos por: Bifidobactérias com galactooligossacarídeo e com frutooligossacarídeo e o Lactobacillus com lactitol. Os simbióticos podem melhorar a implantação e a sobrevivência de microrganismos ofertados, além de promover o equilíbrio dos microrganismos que compõem a microbiota, levando a efeitos benéficos para o organismo hospedeiro. Na medida em que os simbióticos melhoram o bolo fecal, há diminuição da absorção de glicose e aumento da eliminação de colesterol, ajudando a evitar doenças coronarianas. Os simbióticos também regeneram a mucosa intestinal, o que pode evitar a formação do câncer, e diminuir a incidência de infecções sistêmicas.

Veja mais em : http://www.robertofrancodoamaral.com.br/blog/alimentacao/importancia-dos-prebioticos-probioticos-e-simbioticos-na-disbiose-intestinal