A Doença Celíaca associada a distúrbios psiquiátricos na infância


Perfeito! O que falo para muitos amigos e pais. Um psicólogo pode ajudar a superar e a encarar de uma forma mais leve.
Faz parte do tratamento multidisciplinar da Doença Celíaca!

J Pediatr. 2017 maio; 184: 87-93.e1. Doi: 10.1016 / j.jpeds.2017.01.043. Epub 2017 7 de março.
Butwicka A 1 , Lichtenstein P 2 , Frisén L 3 , Almqvist C 4 , Larsson H 5 , Ludvigsson JF 6 .
Celiac Disease Is Associated with Childhood Psychiatric Disorders: A Population-Based Study.

Tradução: Google / Adaptação : Raquel Benati




RESUMO

Crianças com doença celíaca e seus irmãos foram seguidas neste estudo de coorte sueco para avaliar a associação entre doença celíaca e distúrbios psiquiátricos na infância. Crianças com doença celíaca apresentaram um risco 1,4 vezes maior de transtornos psiquiátricos no futuro em comparação com a população em geral. Além disso, a doença celíaca na infância mostrou ser um FATOR DE RISCO para transtornos do humor, distúrbios de ansiedade, transtornos alimentares, distúrbios comportamentais, TDAH, distúrbios do espectro  autista (TEA) e deficiência intelectual. As crianças com doença celíaca também eram MAIS PROPENSAS do que a população em geral a terem um diagnóstico de transtorno de humor, alimentar ou comportamental ANTES do diagnóstico de doença celíaca. No entanto, irmãos de crianças com doença celíaca não demonstraram risco aumentado de transtornos psiquiátricos.

A doença celíaca em crianças está associada a um risco aumentado de transtornos psiquiátricos, o que provavelmente é explicado pelos efeitos biológicos e / ou psicológicos da doença.

OBJETIVOS
Para determinar o risco de transtornos psiquiátricos na infância em crianças celíacas, foi avaliada a associação entre transtornos psiquiátricos anteriores e doença celíaca em crianças e investigado o risco de transtornos psiquiátricos infantis em irmãos de celíacos.

DESIGN DE ESTUDO
Este foi um estudo de coorte coincidente baseado em registro nacional na Suécia com 10.903 crianças (com idade inferior a 18 anos) com doença celíaca e 12.710 de seus irmãos. Nós avaliamos o risco de transtornos psiquiátricos da infância (qualquer transtorno psiquiátrico, transtorno psicótico, transtorno do humor, transtorno de ansiedade, transtorno alimentar, uso indevido de substâncias psicoativas, transtorno comportamental, transtorno de hiperatividade com déficit de atenção [TDAH], distúrbio do espectro autista [TEA] e capacidade intelectual). A possibilidade de transtornos psiquiátricos futuros em crianças com doença celíaca e seus irmãos foram estimados pela regressão de Cox. A associação entre diagnóstico prévio de transtorno psiquiátrico e doença celíaca atual foi avaliada por regressão logística.

RESULTADOS
Em comparação com a população em geral, crianças com doença celíaca apresentaram um risco 1.4 vezes maior de transtornos psiquiátricos futuros. A doença celíaca da infância foi identificada como um fator de risco para distúrbios do humor, distúrbios de ansiedade, transtornos alimentares, distúrbios comportamentais, TDAH, TEA e deficiência intelectual. Além disso, um diagnóstico prévio de transtorno de humor, alimentar ou comportamental foi mais comum antes do diagnóstico de doença celíaca. Em contrapartida, os irmãos dos celíacos não apresentavam risco aumentado de qualquer dos transtornos psiquiátricos investigados.

CONCLUSÕES
Crianças com doença celíaca correm maior risco para a maioria dos distúrbios psiquiátricos, aparentemente devido aos efeitos biológicos e / ou psicológicos da doença celíaca.

http://dietasemgluten.blogspot.com.br/2017/06/a-doenca-celiaca-associada-disturbios.html



Revisão atualizada da doença celíaca , osteoporose e osteopenia

A osteoporose é uma doença esquelética sistêmica, caracterizada por massa óssea reduzida e deterioração microarquitetural
do tecido ósseo, determinando a fragilidade óssea e o aumento do risco de fraturas. A osteoporose secundária, que ocorre
devido a desordens inflamatórias crônicas do trato gastrointestinal, tem sido cada vez mais identificada. Dentre as patologias
que determinam a osteoporose secundária, enfatiza-se a doença celíaca, enteropatia inflamatória crônica do intestino delgado,
imunomediada, que predispõe à redução da massa óssea e a alterações no metabolismo do cálcio, resultando em osteomalácia,
osteoporose e raquitismo. O objetivo deste estudo é fazer uma revisão atualizada dos dados já publicados sobre a associação
de osteoporose e doença celíaca. Foi realizada revisão bibliográfica com as palavras-chave: doença celíaca, densidade mineral
óssea e osteoporose, na base de dados Pub Med e Medline, referentes ao período de 1975 a 2009, e foram selecionados artigos
relevantes. Foi observado pelos autores que atualmente ainda não há consenso sobre quando realizar a pesquisa de osteoporose
em indivíduos com diagnóstico de doença celíaca.


Durante a última década, a osteoporose, secundária às desordens inflamatórias crônicas do trato gastrointestinal, tem sido cada vez mais reconhecida. Dentre essas desordens patológicas, chama atenção a doença celíaca, que predispõe à redução da massa óssea e a alterações no metabolismo do cálcio, resultando em osteomalácia, osteoporose e raquitismo. A osteopenia e a osteoporose são achados comuns em pacientes com doença celíaca, sendo, por vezes, as únicas manifestações da doença em indivíduos acometidos por esta patologia.17 Recentes estudos demonstraram que entre 40 e 70% dos pacientes com doença celíaca tem osteopenia e que a osteoporose ocorre em mais da metade.18,19,20 A prevalência de doença celíaca é também muito mais alta em pacientes com osteoporose (3,4%) do que nos indivíduos não osteoporóticos (0,2%)...
Vejam a literatura completa aqui