Discriminação 2- Autismo

 Estou muito indignada ! Aqui vai meu repúdio por esta escola!
Vejam!

ESSA REPORTAGEM SAIU HOJE (25 FEV) SÁBADO, NO GAZETAONLINE

Escola marca nome de aluno com deficiência com tarja preta


Crianças sofrem de autismo no bairro Jabaeté
A Unidade de Educação Infantil (UMEI) Normília Cunha dos Santos, em Jabaeté, região de Terra Vermelha, Vila Velha, causou desconforto no primeiro dia de aula ao fixar na porta de cada sala uma lista com os nomes dos alunos daquela turma identificando com uma tarja preta os portadores de algum tipo de deficiência. A medida adotada pela escola acabou gerando constrangimento para os familiares das crianças marcadas.
A mãe de um dos estudantes com distúrbio de atenção ficou revoltada. A costureira Eliene dos Santos, 42 anos, alega que a escola estava discriminando os alunos. Ela explica que o filho autista, de quatro anos de idade, estava animado para estudar. Foi então que ela procurou a neurologista do garoto, que atende voluntariamente no bairro, para receber as orientações de como proceder com o menino na escola. Segundo dona Eliene, a instituição teria recebido um laudo, assinado pela médica, informando a situação do garoto.
OUÇA A NOTÍCIA

No primeiro dia de aula, conta a mãe do menino, ela viu o nome do filho com uma tarja preta. Além dele outras crianças estavam marcadas nas demais salas. Mesmo se sentindo desconfortável com a situação, ela entrou com o filho na sala. No entanto, dona Eliene salienta que as professoras não deram assistência ao filho, mesmo sabendo que ele tem problema de adaptação. Para ela as educadoras não estão preparadas para lidar com crianças especiais.

"No primeiro dia de aula ele não queria ficar na escola. Eu fiquei com ele na sala, porém nenhuma professora chegou perto para me ajudar. Levei ele para casa. No segundo dia, tentaram ficar com ele, mas meu filho passou mal. Ele teve uma crise e quase morreu. Voltei à escola e abracei o meu filho e ele se acalmou. Agora ele não quer voltar mais para a escola".

Dona Eliene fotografou todas as listas que apresentavam marcação das crianças especiais e procurou a secretaria de Educação do município por não aceitar o método usado pela escola. Além do menino de 4 anos, o irmão de dois anos de idade, matriculado na mesma unidade também não está frequentado as aulas. A criança também apresenta sintomas da mesma doença. A costureira, com receio de que os filhos não tivessem a atenção adequada, acabou tirando os meninos da escola.

"Eu peço ao prefeito que tome alguma providência. As pessoas precisam ser capacitadas para lidar com essas crianças. Nossos filhos são especiais, mas eles são os nossos filhos. Além de todos os problemas, eu quero o meu filho. Não aceito que ele seja discriminado", desabafa.

A coordenadora da área da deficiência intelectual do setor de Diversidade e Inclusão, Adriana Venturim Lana, explica que existem mais de 300 profissionais capacitados para lidar com crianças especiais. Quanto a lista diferenciando os alunos, ela afirma que a informação está sendo apurada. "Assim que tivemos conhecimento do caso, nós seguimos até a escola. Achamos muito estranho, já que não é procedimento correto da secretaria. O nosso atendimento é referência. A diretora nem estava sabendo desse fato", justifica.

A coordenadora da área da deficiência intelectual frisou que a professora, no primeiro dia de aula,  teria se aproximado da criança para que ela tivesse uma boa adaptação do ambiente, inclusive teria informado a mãe do menino que iria chegar mais cedo á escola, para dar atenção diferenciada ao garoto. A mãe teria aceitado, mas a criança não retorno às aulas.

Sobre a doença

O autismo é uma alteração cerebral que afeta a capacidade da pessoa em se comunicar, em estabelecer relacionamentos e em responder apropriadamente ao ambiente. Algumas crianças, apesar de autistas, são inteligentes e falam corretamente, outras apresentam também retardo mental, mutismo ou atraso no desenvolvimento da linguagem. Alguns parecem fechados e distantes, outros presos a comportamentos restritos e a rígidos padrões de comportamento.

A neurologista infantil Luziene Oliveira, salienta que existe certa discriminação com crianças autistas. "Primeiro porque elas são diferentes. Elas não interagem com as outras crianças como deveriam. Não fazem amizade, não olham nos olhos. Se assustam com barulhos. Mesmo elas sendo inteligentes, acabam tendo uma forma única de se expressar, e as pessoas pensam que elas não aprendem nada, só porque elas agem de forma diferente", diz.

A neurologista ensina que os pais para lidar com o autismo precisam conhecer o problema, além de ter acompanhamento psicológico.


Até quando nós vamos continuar sofrendo de discriminação?

Discriminação





Amigos, venho compartilhar com vocês uma vitória na justiça por discriminação contra doença celíaca, vitória que resulta em reintegração à empresa e indenização por dano moral. Acredito que a reintegração ocorra até julho do corrente, ainda não sei ao certo. Mas como a decisão saiu em final de julho de 2011, estamos confiantes em que tudo aconteça nesse prazo. (Estou segurando a notícia desde então, mas acho que já chegou a hora de compartilhá-la).
Ingressei na empresa por concurso público e em janeiro de 2008 fui demitida, após um longo e doloroso processo de perseguição e assédio moral motivado por minhas ausências ao trabalho, devido ao quadro da DC, que foi se agravando paralelamente ao assédio, o que me levou a várias internações em hospitais e a um sofrimento físico e emocional muito grande.
Quero compartilhar com vocês essa vitória (que não é minha, é nossa, de todos os portadores de DC), porque penso que outros celíacos também possam a vir, ou já estejam a passar por algo semelhante. Como a doença é pouco conhecida, muitas vezes nos sentimos sós e sem argumentos diante da incompreensão em relação a nossa condição, a qual muitas vezes nos incute restrições e impossibilidades que os demais não têm.
Queria também deixar os contatos de meus advogados da área trabalhista, que estudaram profundamente a doença e acabaram por abrir uma jurisprudência, que antes não havia. Foi uma vitória inédita.
Os contatos são:
Pinaud Neto Advogados Associados – Rua Luiz Leopoldo Fernandes Pinheiro, no. 551, grupo 407, Centro, Niterói, RJ.
Tel./Fax (21) 2613-3113/ 2613-6698
Site: www.pinaudneto.com.br
Abraços a todos.

Vidas Sem Glúten: A biópsia no diagnóstico de DC

Vidas Sem Glúten: A biópsia no diagnóstico de DC:  Imagem retirada da Net  Apesar da recente perda de importância que a biópsia tem vindo a perder como o instrumento de diagnóstico pre...

Significado de Glúten Free


O verdadeiro significado de “Glúten Free”

por Ana Paula Marum, médica.
Este é um tema de grandes controvérsias e falsas interpretações. Dentro da temática da intolerância ao glúten cabem muitos tipos de desequilíbrios e não exclusivamente a doença celíaca. Para se entender isto é preciso saber o que é o glúten.
A definição técnica correcta de glúten inclui um conjunto de proteínas individuais que se encontram nos cereais e se dividem em poliaminas e gluteninas. Cada tipo de cereal tem uma poliamina diferente, que são:
Trigo – Gliadina (70%)
Centeio - Secalina (30-50%)
Cevada - Hordeína (50%)
Aveia - Avenina (16%)
Milho - Zeína (55%)
Arroz - Orzeína (5%)
Sorgo - Katirina
Visto por este prisma todos os cereais têm poliaminas e portanto não se pode dizer que há cereais isentos de glúten. Mas como só algumas poliaminas são tóxicas para os celíacos generalizou-se a ideia de que os cereais sem estas poliaminas tóxicas seriam sem glúten. As poliaminas que dão reacção aos celíacossão então:
GliadinaSecalinaHordeínaAvenina.
glutenfree.jpg
Assim, o termo “Glúten Free” não é de todo rigoroso. Ele significa: Sem Gliadina, Sem Secalina, Sem Hordeína, Sem Avenina.
Nos países Sul Americanos usa-se o termo “Sin TACC”, que significa sem trigo, centeio, aveia e cevada.
Como conclusão, subentenda-se o termo “Sem Glúten“ que vem nos rótulos dos alimentos como “Apto para a Dieta de Celíacos”.
No entanto nem todas as intolerância ao glúten são Doença Celíaca e vários graus e tipos de intolerâncias se podem encontrar em pessoas normais e assintomáticas. Para se perceber a diferença vai aqui resumidamente a descrição de Doença Celíaca.
É uma doença auto-imune que surge em indivíduos geneticamente predispostos. Quando o sistema digestivo não é capaz de digerir bem a proteína do glúten por imaturidade do sistema ou déficit enzimático a gliadina entra em circulação e dá-se a exposição desta proteína ao sistema imune. Assim produzem-se anti-corpos que por reacção cruzada com enzima transglutaminase tecidual vão destruir as vilosidades do intestino. Assim o intestino perde a capacidade de absorção com as respectivas diarreias e todo restante quadro sintomático. Os indivíduos geneticamente predispostos são do tipo HLA DQ2 e HLA DQ8 mas existem indivíduos com estes genes herdados e sem a doenças porque existem outros factores em concomitância a contribuírem para a doença. A melhor forma de prevenir a doença é expor o organismo à proteína do trigo o mais tarde possível na alimentação da criança.
Nos doentes celíacos são comuns as intolerâncias concomitantes a outros alimentos como à soja, leite e ovos. O doente celíaco precisa eliminar totalmente as proteínas do trigo, centeio, cevada, aveia (alguns autores consideram a proteína da aveia tolerada por celíacos mas pelo grau de contaminação que esta normalmente tem com outros cereais, tem que ser evitada). O celíaco tolera com segurança a proteína do arroz, arroz selvagem, milho, millet, quinoa, amarante e trigo sarraceno. Ter em atenção que o trigo antigo considerado de fácil digestão como o Kamut e Espelta não são de todo indicados para celíacos. Para a recuperação mais rápida do celíaco este beneficia em evitar as proteínas alergénicas secundárias como o ovo, leite e soja para acelerar a regeneração da membrana mucosa. Apesar de ser uma informação controversa na prática clínica mostra utilidade. É evidente que se forem proteínas hidrolisadas estando totalmente transformadas em aminoácidos não dão qualquer reacção alérgica.
glutennao.jpg
Para informação suplementar descrevem-se algumas características gerais da proteína do trigo. Quando o grão é moído e misturado com água as proteínas unem-se numa massa insolúvel na água e que forma uma rede proteica à qual se deu o nome de glúten A gliadina dá a elasticidade e a plasticidade à proteína e glutenina dá a solidez. Outras proteínas em pequenas proporções são a albumina a 0,3%, globulina a 0,3% e protease a 0,2%. O glúten é considerado uma proteína de alta qualidade e substitui a carne na alimentação dos vegetariana – chamam-lhe a “carne vegetal”. Tem um alto conteúdo em aminoácidos como a prolina e ácido glutâmico. A prolina é componente do colagéneo e da elastina e o ácido glutâmico actua como neurotransmissor.
É essencial agora distinguir a situação descrita como Doença Celíaca, doença séria de origem genética que surge nos primeiros meses de vida após a introdução das papas com gluten, e que acompanha a vida da pessoa com rigorosas restrições e limitações, da situação mais comum de intolerância ao gluten que surge ao longo da vida de algumas pessoas por perca da capacidade normal enzimática e digestiva deste tipo de proteínas que têm em si ligações muito fortes e degradação mais difícil. A sintomatologia vai desde ligeiras queixas digestivas, até doenças auto-imunes. Nestes casos as intolerâncias são mais individuais e diversificadas e poderão tolerar melhor a proteína da espelta ou até do centeio e cevada.
A forma mais prática de descobrir estas intolerâncias é fazer a sua exclusão da dieta e depois progressiva introdução para averiguar os sintomas. É possível voltar a ganhar tolerância a estas proteínas após alguns meses de dieta de exclusão e posterior introdução moderada destes alimentos.
Outra situação totalmente distinta que é descrita por algumas pessoas é aincapacidade de consumir as fibras dos cereais por irritação da membrana mucosa do intestino. Quase sempre dentro de um quadro de Cólon Irritável que tem forte componente psicossomático. Neste caso devem-se evitar as fibras mais irritantes como as ligninas que existem no farelo do trigo. Usar o arroz semi-descorticado ou vaporizado, a quinoa o amarante e o trigo sarraceno são melhor tolerados. Não esquecer que uma boa mastigação para facilitar a digestão e diminuir a agressão das mucosas que já estão sensíveis.
Publicado por Vitorino às julho 4, 2006 12:33 PM
Este texto é ótimo, mas na minha opinião acho muito mais sacrificante feita desta forma, fazer todos os exames antes seria muito melhor.
Apesar que quando o texto foi redigido , ano 2006, ainda não tinham tanto conhecimento sobre a DC como hoje em dia.

Sintomas da Doença celíaca


Sintomas da doença celíaca

Dependendo do grau de má absorção, os sinais e sintomas da doença celíaca doença variam entre os indivíduos, que vão desde ausência de sintomas, sinais poucas ou leves e sintomas, para muitos sinais e sintomas ou grave. Há duas categorias de sinais e sintomas: 1) aqueles devido à má absorção, e 2) aqueles que, devido à má nutrição, deficiências vitamínicas e minerais.
1. Sinais e sintomas de má absorção

As três categorias principais de nutrientes da dieta são os carboidratos, proteínas e gordura. A absorção de todos estes nutrientes pode ser reduzido na doença celíaca, no entanto, a gordura é o nutriente mais comumente e gravemente afectado. A maioria dos sintomas gastrointestinais e sinais de doença celíaca são, devido à absorção inadequada de gordura (má absorção de gordura). Os sintomas gastrointestinais de má absorção de gordura incluem diarréia , flatulência (mau-cheiro de gás), abdominal inchaço e aumento da quantidade de gordura nas fezes (esteatorréia). A gordura não absorvido é decomposta por bactérias intestinais em ácidos gordos, e estes ácidos gordos promover a secreção de água para o intestino, resultando em diarreia. Fezes gordurosas geralmente são de grande volume, mau cheiro, tan, ou cinza gorduroso luz de cor clara, e tendem a flutuar no vaso sanitário. Gotículas de óleo (não digerido gordura) também pode ser visto que flutua na superfície da água.

Perda de vilosidades intestinais também provoca má absorção de carboidratos, especialmente o açúcar lactose. A lactose é o açúcar primário no leite. A lactose é composta de duas menor açúcares, glicose e galactose. A fim de lactose a ser absorvido a partir do intestino e para o corpo, ele deve primeiro ser dividida em glicose e galactose. Em seguida, pode ser absorvida pelas células que revestem o intestino delgado. A enzima que divide a lactose em glicose e galactose é chamado de lactase , e está localizado na superfície das vilosidades do intestino delgado. Na doença celíaca, as vilosidades intestinais, juntamente com as enzimas de lactase na sua superfície são destruídos, levando à má absorção de lactose.

Sinais e sintomas de má absorção de lactose são particularmente proeminentes em indivíduos com doença celíaca que têm subjacentes a intolerância à lactose , uma redução geneticamente determinada na atividade da lactase. Os sintomas de má absorção de lactose (diarreia, flatulência excessiva, abdominal dor e inchaço abdominal ou distensão) ocorrer porque a lactose não absorvida passa através do intestino delgado e no cólon. No cólon, existe uma bactéria normal que contém lactase e é capaz de dividir a lactose, utilizando a glicose e galactose resultante para as suas próprias. Infelizmente, quando eles se separaram a lactose, as bactérias também liberta gás (hidrogénio e / ou metano). Uma proporção do gás é expelido e é responsável pela flatos aumentada (passagem de gás), que pode ocorrer na doença celíaca. Aumento do gás misturado nas fezes é responsável por fezes boiando no vaso sanitário.

Nem toda a lactose, que atinge o cólon é dividido e utilizado por bactérias do cólon. A lactose unsplit que atinge o cólon faz com que a água a ser arrastado para o cólon (por osmose). Isto promove a diarréia.

2. Sinais e sintomas de desnutrição e as deficiências de vitamina ou mineral

Sintomas de deficiência de desnutrição e vitamina ou mineral incluem: perda de peso, retenção de líquidos, anemia , osteoporose, contusões, periférica neuropatia ( danos nos nervos ), infertilidade e fraqueza muscular.

A perda de peso e retenção de líquidos: perda de peso é o resultado direto da absorção inadequada de carboidratos, proteínas, gordura e. No entanto, a perda de peso nem sempre pode ocorrer porque os pacientes com doença celíaca muitas vezes têm um apetite enorme que compensam a redução na absorção de nutrientes. Além disso, a perda de peso pode ser mascarado por retenção de fluidos. A retenção de líquidos ocorre em desnutrição avançada, porque a absorção reduzida de proteína resulta em baixos teores de proteínas no sangue. Os níveis de proteína elevados no sangue são necessários para manter o fluido de vazamento para fora dos vasos sanguíneos e para os tecidos do corpo. Quando os níveis de proteína no sangue cair - vazamentos de fluido em muitos tecidos (edema), mas especialmente nos tornozelos e pés, que, em seguida, incham - como na doença celíaca.
Anemia: Falta de absorção de vitamina B12 e ferro pode levar a anemia.
Osteoporose: A falta de absorção de vitamina D e cálcio pode levar a osteoporose e osso fracturas .
Equimoses fáceis: falta de absorção de vitamina K pode levar a capacidade diminuída de coagulação do sangue e, portanto, a sangramento excessivo ou equimoses fácil.
A neuropatia periférica (danos aos nervos): As deficiências da vitamina B12 e de tiamina pode contribuir para a lesão do nervo com sintomas de falta de equilíbrio, fraqueza muscular e dormência e formigamento nos braços e pernas.
Infertilidade: a doença celíaca não tratada pode levar à infertilidade nas mulheres, falta de menstruação , abortos espontâneos, e bebês de baixo peso.
Fraqueza muscular: Falta de absorção e baixos níveis de potássio e magnésio pode levar à fraqueza muscular severa, dores musculares e sensações dormência ou formigueiro nos braços e pernas. 

Como os sintomas da doença celíaca, dependendo da idade?

No passado, a doença celíaca foi considerado como sendo uma doença principalmente por bebés e crianças. É agora claro que os sinais e sintomas iniciais da doença celíaca pode ocorrer em adultos e mesmo em pessoas idosas.

Crianças com doença celíaca geralmente têm gordura diarréia, nas fezes (esteatorréia), cólicas abdominais, distensão abdominal, irritabilidade, perda de massa muscular, e falha prosperar e crescer. Estes sintomas geralmente ocorrem após a introdução de glúten contendo cereais em suas dietas .

As crianças com doença celíaca geralmente têm esteatorréia, diarréia, flatulência (passagem de gás), baixa estatura, e perda de peso. O tratamento adequado com uma dieta sem glúten pode levar ao crescimento (catch-up) acelerado de altura, no entanto, se não for tratada, a doença celíaca na infância pode resultar em baixa estatura como um adulto. Como as crianças com doença celíaca entram na adolescência, muitos vão experimentar remissões espontâneas (sintomas reduzidos) e permanecem livres dos sinais e sintomas da doença celíaca até mais tarde na vida adulta. Essa reativação mais tarde podem ser precipitadas por estresse , tais como a gravidez ou cirurgia.

Adultos com doença celíaca pode ter sintomas de esteatorréia, diarréia, perda de peso, flatulência e, no entanto, muitos adultos não têm diarréia ou esteatorréia. Eles têm tanto sem sintomas ou apenas vago desconforto abdominal, como inchaço, distensão abdominal, e excesso de gás. Eles também podem ter apenas um, ou apenas alguns sinais de desnutrição, como anemia ferropriva, sangramento anormal, ou fraturas ósseas. Alguns pacientes com doença celíaca e sintomas gastrointestinais são erroneamente diagnosticados com síndrome do intestino irritável. Para mais informações, consulte o Síndrome do Cólon Irritável seção.

Houve mudanças durante os últimos 20 anos no caminho em que a doença celíaca é diagnosticada. A idade média em que a doença celíaca é diagnosticada aumentou, provavelmente devido à maior conscientização de que a doença pode causar primeira sintomas ou sinais em adultos. Considerando que a diarreia foi o sintoma inicial em 80% dos pacientes, que agora é o sintoma inicial em apenas 40%. Uma pequena proporção de pacientes - cerca de 15% - são agora diagnosticadas com sangue testes de anticorpos , porque eles têm um parente próximo com doença celíaca e que estão sendo examinadas para ver se eles também têm a doença.

Quais são doença celíaca latente e silenciosa?
A latente termos e doença celíaca silenciosa são utilizados para se referir a pacientes que herdaram os genes que predispõem à doença celíaca, mas ainda não desenvolveram os sintomas do distúrbio.

Doença celíaca latente refere-se especificamente para pacientes que têm testes de anticorpos anormais do sangue para a doença celíaca (ver discussão de testes específicos para a doença celíaca), mas que têm intestino delgado normais e sem sinais da doença. Por exemplo:

Alguns pacientes podem ter tido um início de infância de doença celíaca ea doença pode ter sido tratada com sucesso com uma dieta livre de glúten. Intestinos dos pacientes pode ter retomado uma aparência normal e função, e eles podem não ter sinais ou sintomas de doença celíaca.
Alguns pacientes com doença celíaca na infância abandonar a dieta livre de glúten, como adultos, mas eles permanecem livres dos sinais ou sintomas de doença celíaca. 

Em ambos os casos acima, a doença celíaca é latente, e os pacientes podem desenvolver sinais e sintomas da doença celíaca mais tarde na vida.

Doença celíaca silenciosa refere-se a pacientes que apresentam testes de anticorpos anormais do sangue para a doença celíaca, assim como perda de vilosidades do intestino delgado, mas não têm sintomas ou sinais de doença celíaca, mesmo em uma dieta normal que contém glúten. Como pacientes com doença celíaca latente, esses pacientes podem desenvolver sinais ou sintomas de doença celíaca mais tarde na vida.
Que doenças estão associadas com a doença celíaca?

A seguir, são doenças associadas com a doença celíaca:

Cerca de 10% dos pacientes com doença celíaca também têm dermatite herpetiforme. A dermatite herpetiforme é uma doença da pele que se caracteriza por uma comichão erupção nas extremidades, nádegas, pescoço, tronco e couro cabeludo.
Recorrentes, dolorosas na boca úlceras (estomatite aftosa)
A insulina -dependente diabetes (juvenil-início ou diabetes tipo 1 )
Auto-imune da tireóide doença
A artrite reumatóide
Lúpus eritematoso sistêmico




Veja mais no site abaixo

Sinos de Vento: Vit. D e Autismo - GcMAF e Nagalase:

Sinos de Vento: Vit. D e Autismo - GcMAF e Nagalase:: Como muitas mães e pais de autistas ao redor do mundo inteiro, eu gosto de ler sobre autismo, estudar e estar a par de todas as pesquisas fa...

Projeto de lei de nº 865 - Deputado Hermas Brandão

Abaixo Assinado!!!

 O grupo de celíacos Viva sem Glúten do facebook está recolhendo assinaturas para abaixo assinado desta seguinte lei em apoio ao dep.Hermas Brandão do Paraná.
Uma pequena batalha que precisa ser vencida! Assinem!!


Assembleia Legislativa do Paraná
Autor(es): Deputado HERMAS BRANDÃO JR
DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DA ESPECIFICAÇÃO E DIVULGAÇÃO DA PRESENÇA DE GLÚTEN E LACTOSE NOS CARDÁPIOS DE BARES, RESTAURANTES E SIMILARES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.
http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2012N20782
www.peticaopublica.com.br
Abaixo Assinado para aprovação do Projeto de Lei Número 865 Ano 2011 Autor(es) HERMAS BRANDÃO JR Assunto: INDÚSTRIA E COMÉRCIO Súmula DISPÕE SOBRE A OBRIGA
VAMOS NOS AJUDAR!!

Que obra de arte !!!Sem Glúten !

Vejam que maravilha o site da minha amiga Leila Zandona!
Dá vontade de entrar na tela do computador!!
Uma obra de arte perfeita !
Não resisti em fazer esta propaganda! 
Afinal o que é bonito é para ser mostrado!
http://www.leilabrandao.com/

Para saber um pouco mais sobre DC- Dicas

Postagem compartilhada de Ester Benatti.
Muito boa para quem está começando a dieta  da doença celíaca.
Tradução google;

Intolerância ao glúten-Folha de Sobrevivência diagnóstico inicial
Ultimamente, tenho sido solicitado para ajudar pessoas que foram recentemente diagnosticados como sem glúten ou que tenham sido colocados em uma dieta isenta de glúten por uma razão ou outra. Eu tenho sentido de ter um post dedicado a isso há algum tempo agora, então aqui está!

NOTA: Eu não sou um médico, então não tome isso como conselho médico. Se nada disso contradiz o que o seu médico lhe disse, então verifique com ele / ela antes de seguir qualquer um desses conselhos.

1. Primeiro e mais importante: Concentre-se nos alimentos que você pode comer versus os alimentos que você não pode comer.

É natural que, de repente, ver o mundo através de uma lente de glúten, quando você é colocado em uma dieta livre de glúten. Se você for como eu no início, de repente, parece que cada alimento único no seu universo contém glúten.

Relaxe. Na verdade, quando você olhar seriamente para o mundial de alimentos, posso garantir que uma boa parte do que é naturalmente sem glúten. A maior parte da comida de verdade que comemos é realmente livre de glúten:

Carnes, feijões, vegetais, frutas, arroz, batata, leite e derivados, quinoa, trigo sarraceno, milho. Estes são todos naturalmente sem glúten. Você pode comer esses com abandono (desde que você não é também sensível a qualquer deles).

2. Não comer alimentos processados.

Pelo menos enquanto você está se acostumando com essa coisa toda. Os alimentos processados são onde a maior parte do glúten na nossa dieta vem. E por processadas eu quero dizer: loja, comprei bolos, biscoitos, pães, biscoitos, donuts, biscoitos, refeições congeladas, sorvetes, chocolates, gomas, barras energéticas, fast food, molhos de salada, e muitas das bebidas na Starbucks (sim , é terrível).

Esta etapa será mais difícil para você se você tiver invocado alimentos de conveniência até agora. Se este for o caso, então você tem uma tarefa mais difícil pela frente. MAS. Não é uma tarefa impossível. Ela exige que você desacelerar para um minuto e se acostumar com um pouco de comida "real".

Além disso, existem milhões de sites eleventy lá fora, que dispõe de informações sobre alimentos sem glúten processado. Ir para um daqueles se você quiser recomendações sobre esses tipos de coisas. Mas eu prometo, se você ir apenas simples por algum tempo, você estará fazendo um favor enorme.

3. Perceba que provavelmente você vai passar por um processo de luto sobre o seu diagnóstico.

Seja gentil com você mesmo. Eu fui diagnosticado como de intolerância ao glúten quando eu dei o nascimento da amiga e foi dito que seu nascimento é o que desencadeou minha intolerância ao glúten. Passei um bom ano ponderando sobre isso em minha mente e jogar o jogo horrível de mente: se amiga nunca nasceu, eu não seria intolerantes ao glúten. Se eu soubesse que antes eu fiquei grávida, eu teria ficado grávida? Eu me senti horrível pensar desta maneira, mas era natural para mim fazê-lo. Foi muito difícil para mim não fazer esta comparação. Eu finalmente passei por isso, mas levou algum tempo. E eu estou supondo que você provavelmente estará fazendo sua própria versão, preencha com a negação, raiva, barganha, etc


4. Saiba o que é uma velha informação eo que é informação nova sobre o glúten e sem glúten.

Informações sobre onde se esconde o glúten em alimentos está sempre mudando. Por exemplo, estamos acostumados a pensar álcool destilado feito a partir de grãos glutinoso tinha glúten nela. Portanto, muitos mostardas, vinagres, molhos de salada com vinagre e álcoois como vodka foram pensadas para conter glúten.

Sabemos agora que a proteína do glúten é muito grande para passar pelo processo de destilação e assim álcoois destilados estão OK. Advertência: a menos que tenham o "mash", acrescentou para trás dentro eu não tenha experimentado isso, mas eu ouvi dizer que existem álcoois, etc, onde eles tomam a cevada, centeio ou trigo e adicioná-lo de volta à mistura. Se este for o caso, então não é isenta de glúten.

Um bom lugar para ficar up-to-date informações é Celiac.com

5. Esteja ciente de outros alimentos que você pode estar reagindo.

É muito comum para os recém-diagnosticados sem glúten pessoas para reagir a todos os tipos de produtos lácteos, especialmente as coisas aos outros. Os top 8 alimentos alergênicos são: leite, trigo, ovos, soja, nozes árvore, amendoim, mariscos e peixes. Gostaria de acrescentar a esta lista de milho. Seu corpo é usado para reagir às coisas, então você pode querer ser cuidadoso sobre o que você está comendo até que você esteja totalmente claro o que você reagir e não reagir. É meu entendimento que uma vez que seu sistema está curado da lesão glúten (por você não comer glúten), você vai voltar a ser capaz de comer muitas coisas que você poderia ter inicialmente reagido. Então, se você atualmente reagem ao laticínio (ou whatever), não entre em pânico. Basta ir fora dele por algum tempo até que o sistema está curado.

Além disso, outro grão controverso para pessoas intolerantes ao glúten é aveia. Acontece que muitos de nós reagir a eles (mesmo as sem glúten). Confira o meu post sobre a aveia se você acha que isso pode ser você.

6. Pergunte ao seu médico para testar o ferro e de vitamina D.

Muitas, muitas pessoas que são intolerantes ao glúten não absorvem nutrientes muito bem. E é muito comum para nós é deficiente em ferro e vitamina D, especialmente. Mesmo quando você está totalmente isenta de glúten, você ainda pode ter problemas na absorção destes nutrientes. Eu tomo ferro e vitamina D todos os dias e eu ainda estou com pouco de ambos.

7. Não trapaceie.

Quando finalmente fui diagnosticada com intolerância ao glúten que eu estava doente e cansado de estar doente e cansado. Você não poderia me pagar para comer glúten. Eu me senti horrível quando eu fiz. E eu tinha um recém-nascido para cuidar, então eu não podia fazer-me sentir mal de propósito. Mas, eu sei que muitas pessoas que mantêm batota. Eles conscientemente comer glúten e fazer-se sentir mal novamente. Por que fazer isso? Eu não entendo. Eu acho que amarra em # 3. Mas, falando sério, não faça isso. Ele realmente não ajuda. E você continuar fazendo dano ao seu corpo, se você fizer isso e então tudo não funciona bem.

Além disso, se você enganar você vai confundir e irritar as pessoas ao seu redor. As pessoas querem ajudar, por isso, se eles vão para o trabalho de fazer algo sem glúten para você e então eles vêem você comer glúten, é irritante. Ele também faz as pessoas gostam de mim louco, porque eu tenho que explicar a todos porque eu não posso enganar e por que você faz. É cansativo.

8. Eu sei que eu disse a você evitar alimentos processados, mas existem alguns alimentos disponíveis no mercado que compramos que pode ajudar a tornar a vida um pouco mais fácil para você, enquanto você ajustar (e além).


http://www.artofglutenfreebaking.com/2012/02/gluten-free-initial-diagnosis-survival-sheet/

Vamos falar mais sobre a vitamina D?


Vitamina D e reprodução

Há muito tempo que se sabe que os níveis de vitamina D no sangue são importantes para a função reprodutiva em vários animais, mas actualmente novos estudos têm demonstrado essa relação em seres humanos.
A Vitamina D aumenta a velocidade com que os espermatozóides se movimentam e influencia o seu funcionamento.
Um novo estudo, publicado no Oxford Journal of Human Reproduction, que incluiu 300 homens saudaveis mostrou uma correlação positiva entre a percentagem de espermatozóides móveis e os níveis plasmáticos de vitamina D. Os resultados indicam, ainda, que a estimulação de espermatozóides humanos em laboratório com vitamina D activada pode aumentar o impulso deles para frente.
Este estudo não é suficiente e não deve ser usado para mudar as práticas de tratamento de fertilidade existentes. No entanto, sugere que vitamina D desempenha um papel importante na fertilidade masculina.
Comentários:
- Vários trabalhos cientificos têm demonstrado associações positivas entre a ingestão de antioxidantes, zinco e vitaminas e a qualidade do sémen. É por este motivo que nas consultas de preparação para a maternidade me preocupo sempre com o estado nutricional das futuras mamães mas também do futuro papai.

Corticóides! Cuidado!!


Corticóides


Corticóide ou corticosteróide (popularmente chamado de cortisona) é um medicamento usado no tratamento das doenças alérgicas e qué é sintetizado a partir de um hormônio produzido por uma pequena glândula chamada supra-renal, pois se localiza logo acima do rim.
Este hormônio – chamado de cortisol - é essencial para a vida, contribuindo 
para manter o equilíbrio no organismo humano. Atua como um potente antinflamatório natural, além de influir em diversas funções do organismo como no metabolismo ósseo, de açucares, sais minerais, gorduras, proteínas, exercendo também ação estimuladora no cérebro. Estas ações são muito importantes para gerar energia necessária para manutenção das atividades diárias e em especial nas situações de estresse tanto físico como emocional. Por exemplo, no momento de uma infecção o organismo precisa de reservas de energia para se defender e o cortisol atua provendo condições para a recuperação.

A produção de cortisol obedece a um ritmo diário (“ritmo circadiano”), 
com um nível máximo do hormônio pela manhã, ao acordar. O nível de cortisol vai caindo lentamente até que à noite há um nível mais baixo no sangue, coincidindo com a sensação de cansaço e necessidade de repouso. Durante o sono, a glândula volta a produzir o hormônio a fim de que o organismo esteja apto para suas atividades diárias ao acordar, pela manhã. Este ritmo de produção do cortisol pela supra-renal é regulado por uma outra glândula; a hipófise ou pineal, localizada no cérebro, sob a influência de outras estruturas reguladoras cerebrais.

Mas o corpo humano é harmonioso: para produzir o cortisol, a glândula supra-renal obedece às ordens da hipófise e do hipotálamo. A regulação do cortisol é portanto o resultado da participação harmoniosa do eixo hipotálamo – hipófise – adrenal. Assim, quando o nível sérico do cortisol, o eixo reduz sua atividade vice versa – se o nível está elevado, automaticamente o eixo estimula sua atividade.

Por isso, quando uma pessoa utiliza um medicamento contendo corticóide, poderá ocorrer uma interferência no eixo regulador/produtor e resultar em alteração de produção do cortisol pelo organismo. No uso curto por poucos dias, não há problema: uma vez suspenso o medicamento, a glândula supra-renal retoma a sua produção diária normal. Entretanto, se a terapia for prolongada (acima de 30 dias) a retomada da atividade da glândula pode ser lenta ou até mesmo permanente, acarretando sérios problemas de saúde.

Os corticóides são utilizados de forma sintética em medicamentos usados em muitas doenças e na Alergia, por sua estupenda ação antinflamatória. O uso deste medicamento acarreta melhora quase imediata de crises agudas de asma, rinite, urticária, eczemas, farmacodermias e da anafilaxia.

Conhecendo as ações dos hormônios corticosteróides, fica mais fácil compreender seus principais efeitos colaterais, em especial quando utilizados de forma sistêmica por via oral (comprimidos e xaropes) ou injetável.

Medicamentos contendo corticóides:Os remédios contendo corticóides sintéticos (chamados popularmente de “cortisona”), 
são utilizados no tratamento de diversas doenças alérgicas, como a asma, rinite, 
alergias na pele e no choque anafilático.
• Via oral: xaropes e comprimidos;
• Para uso injetável;
• Para uso inalado: nebulizações, sprays ou inaladores de pó seco;
• Uso na pele: pomadas e cremes;
• Uso oftálmico –colírios.


CORTICÓIDES POR VIA ORAL
Usados sob forma de comprimidos ou como xaropes estão indicados nas crises de asma, rinite e em outras formas de alergia (urticária, angioedema, etc). O ideal é o uso por poucos dias, a fim de corrigir o problema sem que haja interferência na produção do cortisol pela glândula adrenal, sendo uma medicação valiosa e segura.
Os efeitos colaterais são variáveis de pessoa a pessoa, dependendo da dose e do tempo de uso. Os mais comuns são aumento do apetite e alterações do sistema nervoso: algumas pessoas sentem-se com mais energia, outros se queixam de tristeza, irritabilidade e insônia.
No caso da asma, é importante chamar a atenção sobre o medo do corticóide por causa dos efeitos colaterais, mas o retardo no início do uso pode acarretar piora da doença e levar à internação hospitalar (às vezes até em CTI), sendo necessário o uso de doses muito mais altas da cortisona.

Ressalta-se que este medicamento só deve ser feito sob orientação do médico e em hipótese nenhuma por conta própria ou por conselhos de balconistas ou amigos pois o uso abusivo da cortisona pode provocar danos muitas vezes irreparáveis à saúde. Quem nunca ouviu dizer que a cortisona é faca de dois gumes? E é verdade. Mas, cabe ao médico utilizar o “gume certo” e usufruir o benefício do medicamento com o mínimo de efeitos colaterais indesejáveis.
CORTICÓIDES INJETÁVEIS:
Os corticóides podem ser utilizados por via venosa ou intramuscular nas crises agudas de asma e em situações de emergência, como no choque anafilático. Atuam promovendo a diminuição do processo inflamatório e do edema, diminuindo a chegada das células e de fatores chamados mediadores da inflamação.
Entretanto, existem no mercado algumas formas para uso intramuscular e que têm liberação lenta (formas de depósito), permanecendo na circulação por cerca de 20 a 30 dias após uma única aplicação. Esta liberação lenta tende a provocar efeitos colaterais mais graves e intensos e por isso não são recomendadas no tratamento de doenças alérgicas.

Os principais efeitos colaterais dos corticóides sistêmicos – em comprimidos, xaropes ou injetáveis são:
• Aumento de peso com deposição central de gordura (giba de búfalo).
• Tendência a aumentar a pressão arterial.
• Retenção de água (edema).
• Tendência ao aumento do açúcar no sangue (diabetes).
• Aumento da acidez estomacal (azia, gastrite).
• Perda de cálcio ósseo (Tendência à osteoporose).
• Insônia, agitação.
• Aparecimento de cãimbras.
• Acne, surgimento de pêlos na face.

CORTICÓIDES INALADOS
O uso inalado é considerado padrão ouro no tratamento de controle da asma e da rinite alérgica, atuando no processo inflamatório das vias respiratórias e resultando no controle da doença, devendo ser mantido de forma contínua e por tempo prolongado.
Resalta-se que os corticóides inalados não são indicados para uso nas crises, mas sim na prevenção e controle da asma.
Apesar de seguros, os corticóides inalados também podem causar efeitos colaterais, mas em geral de forma localizada, como a rouquidão (disfonia) e candidíase oral (“sapinho”). Os efeitos colaterais sistêmicos são raros e de pequena intensidade.
Os corticóides inalados podem ser usados sob forma se nebulização, como “sprays” ou aerossóis (popularmente conhecidos como "bombinhas”) ou ainda em forma de inaladores de pó. É imprescindível lavar a boca após o uso. No caso dos aerossóis ou sprays, recomenda-se também o uso de espaçadores, a fim de reduzir possíveis efeitos colaterais locais.

Vantagens do uso inalado: 
- A medicação atua mais rápido;
- As doses são menores (microgramas);
- Os efeitos colaterais sistêmicos são mínimos;
- Pode-se utilizar por tempo prolongado sem alterar o equilíbrio do eixo hipófise - arenal
.

CORTICÓIDES USADOS SOB FORMA DE CREMES E POMADASUsados no tratamento de doenças alérgicas da pele como a dermatite atópica e o eczema de contato.

Em resumo:

USO ADEQUADO:• Para tratar crises fortes ou moderadas nas doenças alérgicas.
• Utilização deve ser de preferência por via oral (comprimido ou xarope), em doses adequadas e por período curto (5 a 7dias).
• Utilizar com orientação e supervisão do médico.
USO INADEQUADO:• Uso por conta própria e sem orientação médica.
• Utilização repetida de injeções de depósito (ação prolongada).
• Evitar corticóides a todo o custo e só usar quando a crise já for muito grave.
• Usar baixas doses por tempo longo ou modificar a prescrição do médico por medo de efeitos colaterais.




http://blogdalergia.blogspot.com/2007/06/corticides-faca-de-dois-gumes.html

Humm! Que delícia!!

Humm! Que delícia!!
Novidade para páscoa!
Sem açúcar!
Sem gordura!
Sem glúten!
Sem lactose!
Tudo que eu queria!



Vamos saber mais sobre as frutas ?

Recebi por e-mail esta postagem e achei muito boa, mas não sei a fonte. Se alguém descobrir me fale por favor.

O pódio das frutas
As mais energéticas: açaí (495 kcal em 1 tigela pequena), abacate (235 kcal em 1/2 unidades), caqui (90 kcal por unidade) e figo (90 kcal por 3 unidades)
As menos energéticas: melão (20 kcal em 1 fatia) e pêssego (25 kcal em 1 unidade)
As mais ricas em fibras: açaí (35 g em uma tigela pequena) e goiaba (10 g em 1 unidade)
As mais ricas em carotenóides: manga (3600 mcg em 1 unidade), caqui (1800 mcg em 1 unidade)
As mais ricas em vitamina E: abacate (230 mg em 1/2 unidade), açaí (90 mg em 1 tigela pequena)
As mais ricas em potássio: banana (350 mg em 1 unidade) e uva (296 mg em 1 xícara)
As mais ricas em vitamina C: goiaba (370 mg em 1 unidade) e morango (110 mg em 1 xícara)
As mais ricas em cálcio: açaí (236 mg em 1 tigela pequena) e tangerina (40 mg em 1 unidade)
As mais ricas em magnésio: abacate (100 mg em 1/2 unidade) e banana (30 mg em 1 unidade)
As mais ricas em ferro: açaí (25 mg em 1 tigela pequena) e amora (5 mg em 1 copo médio)
Frutas para esportistas
Os esportistas estão sujeitos a algumas condições que podem ser prevenidas e aliviadas com as frutasAnemia:açaí, amora, carambola
Artrite: abacaxi, ameixa e maçã
Cãibras musculares: banana, laranja e melão
Diarréia: maçã sem casca e banana-maçã
Digestão pesada: combinar as refeições pesadas com o abacaxi
Prisão de ventre: maçã com casca, ameixa e figo
Fadiga: banana, uva e figo
Retenção de líquidos: a maioria das frutas, por possuir potássio, pode provocar maior perda de líquido.
Baixar o colesterol: maçã, pêra, abacaxi e pêssego 

Ameixa, tônico antiestresse

Contém alta quantidade de fibra sorbitol que estimulam o movimento intestinal e favorecem a evacuação. Dependendo da coloração da fruta, a quantidade de vitaminas que possuem pode variar: as claras são as mais doces e ricas em carotenos, e as com coloração escura contêm mais ferro. Sua riqueza em vitaminas B e C torna essa fruta uma aliada contra o estresse e o suco de ameixa alivia a gota, o reumatismo, a artrite e problemas articulares.


Damasco, a fruta da pele

Tem alto teor de caroteno (provitamina A), vitamina que previne o câncer, regenera os tecidos, e favorece o bronzeado. É rica em ferro, magnésio, potássio, zinco e vitaminas B1, B2 e C. Um verdadeiro coquetel contra a fadiga. E só tem 47 kcal.


Figo, para os ossos

Tem cálcio, por isso, é recomendado para esportistas e ajuda a prevenir a osteoporose. Contém benzaldeido, um agente anticancerígeno, flavonóides e uma enzima chamada ficina que ajuda a digestão das proteínas. Além disso, possui ferro, potássio e fibra. As avós utilizavam o látex branco (líquido que sai da planta ao ser cortada) para eliminar as verrugas. Na ásia, o figo é considerado um afrodisíaco natural.

Maçã

Ela é rica em fibra solúvel, regula o colesterol, protege o coração e equilibra                                                 a função intestinal, tanto no caso de diarréia como de prisão de ventre.                                                       Contém vitamina C, potássio e é hidratante.


Banana, a barrinha energética
É o alimento dos campeões. Uma comida rápida, ideal para recarregar as energias.                                      Quanto menos maduras, mais ricas em amido. A banana previne as cãibras musculares                           por sua riqueza em potássio. Também tem magnésio e vitamina B6, vital para levantar                            seu ânimo e ajudar no metabolismo do corpo.

Melão, o diurético mais natural

É típico das frutas de verão. É rica em potássio (diurético), betacaroteno, vitaminas e com poucas calorias. Quanto mais amarelo o melão, maior é a quantidade de carotenos - responsáveis pelo cuidado de sua pele, melhorando também o seu bronzeado. É considerada uma fruta anticoagulante e um aliado na prevenção de trombose e infartes.
Pêssego, a fruta saboro




                  Rica em vitamina C e potássio. Regula o intestino, pois é rico em fibras. Tem baixo teor calórico.


Açaí, o pentacampeão

Esta frutinha amazônica, muito badalada entre os esportivas, sem dúvida nenhuma é pura energia! Rico em vitamina E, o açaí pode ser considerado um poderoso antioxidante. Além de ser rico em cálcio e ferro, que auxiliam na efetiva contração muscular. O alto teor de fibras pode ser ainda maior quando na tigela de açaí vai granola misturada.
Nectarina, o pêssego de pele suave

É uma fruta muito parecida com o pêssego. Contém provitamina A, vitamina B3, ácido fólico, potássio e fibra. Ajuda a regular o colesterol.


Pêra, para refrescar

A pêra é uma fruta que deve ser ingerida madura. É rica em pectina, fibra que regula o intestino melhorando a flora intestinal; contém minerais como o selénio (antioxidante), zinco (aumenta a imunidade) e potássio (diurético e hipotensor). Para os esportistas é uma fruta muito completa.


Abacaxi, para digestão

A cozinha oriental combina pratos com carnes e abacaxi porque favorece a digestão das proteínas. Essa fruta tem uma enzima chamada bromelina. É rica em vitamina C.

Melancia, menos calorias
Se seus problemas são os quilinhos a mais, encha sua geladeira de melancia . Você vai poder comer quantos pedaços quiser, pois é a fruta que tem menos calorias (18 kcal/100 g). É rica em água, fibra , potássio (diurético), vitaminas A, B6 e C e magnésio.
Uva, limpa seu corpo das toxinas
Uma das frutas que trazem mais benefícios para a saúde. É remineralizante, diurética, depurativa, energética. Contém taninos adstringentes, polifenois, resverastrol (principalmente nas uvas escuras) e substâncias com capacidade antitumoral. Uma alimentação rica em uvas garante boa saúde e limpa seu organismo de toxinas.