Muito boa entrevista! vejam!


Entrevista com o Dr. Fasano

Imagem retirada da Net
A revista Gluten Free Living fez uma extensa entrevista com o Dr. Alessio Fasano, um dos mais experientes e conhecidos investigadores na área da intolerância ao glúten. Este especialista já foi mencionado neste blog,aqui e aqui. Esta entrevista é muito interessante e elucidativa sobre o estado actual e futuro do estudo da intolerância ao glúten. O original está disponível aqui ; deixo, então, alguns excertos da entrevista:





Acerca do motivo que desencadeia a DC:
“Outro assunto importante foi um recente estudo do Centro que encontrou, surpreendentemente, a duplicação da doença celíaca a cada 15 anos desde 1974. Fasano disse que o estudo, que mostrou a doença celíaca a aumentar à medida que as pessoas envelhecem, sugere que genes e glúten não são os únicos responsáveis ​​pelo desenvolvimento da doença celíaca. As bactérias também podem estar envolvidas.”

Sobre um possível tratamento, um comprimido que está na fase final de estudo:
“Para mim, o comprimido terá a grande vantagem de paz de espírito, apenas isso. Não o vejo como uma alternativa para a dieta isenta de glúten. Vejo-o como um complemento ou um apoio à dieta livre de glúten.”

O problema da falta de diagnóstico:
“Saímos de uma situação onde a doença celíaca foi completamente negligenciada para outra onde os Centros de Controle de Doenças consideram-na uma ameaça à saúde pública, pelo seu carácter único que dá origem a muitos não diagnosticados. (...) Noventa por cento e mais das pessoas com a doença não são diagnosticadas. Elas consomem o sistema de saúde.”

Alteração no método de diagnóstico da DC:
“Nós publicamos um artigo que dizia que vamos ser um pouco mais flexíveis. Vamos definir cinco critérios principais e dizer que você tem de preencher quatro dos cinco:
Um, tem que ter sintomas que sabemos estar relacionados com a doença celíaca, diarreia, anemia, qualquer um;
Dois, tem que ter os auto-anticorpos que usamos para o diagnóstico- anti-transglutaminase tecidual e anticorpos anti-endomísio;
Três, tem que ter os genes HLA-DQ2 e / ou HLA-DQ8;
Quatro, a biópsia mostra danos;
Cinco, os sintomas têm de desaparecer com o início da dieta sem glúten.
Com esta fórmula, se tiver sintomas, os auto-anticorpos, os genes HLA e sintomas que desaparecem, você pode evitar a biópsia.”

“É raro, mas 2 a 3 por cento das pessoas que são diagnosticadas com DC não tem os genes HLA-DQ2/DQ8. Nestes casos, a biópsia seria essencial. É óbvio que a grande maioria daqueles que têm a doença celíaca vai preencher todos os cinco critérios, mas há excepções.”

“Fui eu que disse que a regra de ouro era a biópsia. Agora digo que estava errado. (...) Talvez em 90 de 100 casos, a biópsia seja a regra de ouro, mas em dez casos a biópsia não é exacta.”

Quando fazer a introdução do glúten na alimentação infantil:
“Há duas escolas de pensamento. Uma diz que se você atrasar a introdução do glúten, apenas retarda o aparecimento da doença celíaca. A outra diz que talvez se deva dar tempo ao sistema imunitário para amadurecer e lidar melhor com o glúten. Eu diria que se der tempo para o sistema imunológico amadurecer e o microbioma se tornar o correcto, está a dar uma oportunidade à tolerância ao glúten, se não para a vida, pelo menos, por um longo, longo tempo.”

Acerca da sensibilidade ao glúten não-celíaca:
“Fizemos, no nosso Centro, uma análise de quase 6.000 pessoas. Uma pequena percentagem tem alergia ao trigo, cerca de 0,01 por cento. As pessoas que têm doença celíaca formam um por cento. O que é espantoso é que a grande parte são pessoas que têm sensibilidade ao glúten. Eles compõem 6-7 por cento dos pacientes que atendemos. A nível nacional são 20 milhões de pessoas (...).”

“A forma como abordamos esta história é a seguinte: se você tiver sintomas relacionados com a exposição ao glúten, olhamos para onde irá cair no espectro. Tem alergia a trigo-não. Tem a doença celíaca- não. Então, por exclusão, você é visto como sensível ao glúten. Temos pesquisas a sair que começam a dar-nos pistas para alguns possíveis marcadores com que podemos contar, para fazer o diagnóstico de sensibilidade ao glúten.”

Frases avulsas:
“O mercado sem glúten vale 1,7 mil milhões de dólares e cresce, agora, 20 por cento ao ano.”

“Agora, o meu objectivo principal é mudar o nome de doença celíaca para condição celíaca. Não quero mesmo ter a palavra "doença" ali.”