sábado, 17 de outubro de 2015

Exame de sangue para diagnóstico da doença celíaca pode ser positivo em não celíacos devido à infecções

 Por isto o diagnóstico da doença celíaca devem ser dados mediante a um conjunto de exames e sintomas! O médico precisa ser especialista no assunto!

Um novo estudo realizado por pesquisadores italianos revela que anticorpos anti-transglutaminase – um marcador serológico para o diagnóstico da doença celíaca – podem ser produzidos temporariamente em crianças com doenças infecciosas, independentemente da ingestão de glúten.
Anti-transglutaminase and Celiac DiseaseA doença celíaca se caracteriza por uma intolerância permanente ao glúten (uma proteína presente no trigo, cevada e centeio) em pessoas geneticamente predipostas à doença. Para estas pessoas, o glúten desencadeia uma reação auto-imune e inflamatória no intestino, a qual danifica os seus tecidos e requer portanto a eliminação permanente do glúten da dieta. O diagnóstico da doença celíaca baseia-se em uma combinação de dados clínicos, histológicos (sendo aqui a biópsia do intestino delgado essencial para confirmação do diagnóstico) e serológicos (obtidos através de exame de sangue). Entre os exames serológicos, a dosagem de anticorpos anti-transglutaminae é considerada atualmente um dos exames mais específicos para o diagnóstico da doença.
Um novo estudo publicado no mês de novembro sugere no entanto que os níveis dos anticorpos anti-transglutaminase podem também estar elevados temporariamente em crianças não celíacas que estejam com alguma doença infecciosa.
Os pesquisadores coletaram amostras de sangue de 222 crianças com doenças infecciosas diversas e as testaram para a presença de anticorpos anti-transglutaminase e anticorpos anti-endomísio, também um marcador para o diagnóstico da doença celíaca. No caso daquelas crianças para as quais um ou ambos os exames foram positivos, os pesquisadores testaram também a presença de marcadores genéticos da doença (moléculas HLA DQ2 e DQ8, as quais se acredita sejam necessárias para o desenvolvimento da doença) bem como a presença de anticorpos para as seguintes doenças infecciosas: vírus Epstein–Barr, rotavirus, adenovirus, ecovirus e Coxsackievirus. Os pesquisadores também analisaram os resultados de exames para os anticorpos anti-transglutaminase realizados em 1276 crianças saudáveis (sem processos infecciosos).
Das 222 crianças infectadas, 9 (4%) obtiveram resultados positivos para os anticorpos anti-transglutaminase. Dentre estas, apenas uma obteve resultados positivos para os marcadores genéticos da doença celíaca (para esta criança, o diagnóstico da doença se confirmou através de biópsia do intestino, e a criança então passou a seguir a dieta isenta de glúten). Dentre as 8 crianças restantes, os níveis de anticorpos anti-transglutaminase e antivirais retornaram ao normal após um ano, apesar da adoção de uma dieta com glúten. A prevalência de níveis elevados de anti-transglutaminase entre as crianças infectadas também foi significativamente maior que a prevalência destes anticorpos entre crianças saudáveis (8 positivos dentre 222 crianças infectadas comparado à 11 positivos dentre 1276 crianças saudáveis).
A pesquisa também revelou que os anticorpos anti-transglutaminase produzidos devido à presença de infecções em crianças não celíacas tem as mesmas propriedades biológicas que a anti-transglutaminase produzida em celíacos, ou seja, tem o mesmo potencial para danificar os tecidos intestinais [note-se então que infecções crônicas podem assim ser acompanhadas não somente de níveis mais altos de anticorpos, como também de danos à mucosa intestinal].
Os pesquisadores concluem o estudo sugerindo que um aumento nos níveis de anticorpos anti-transglutaminase não ocorre exclusivamente na presença de doença celíaca não tratada, podendo representar um fenômeno imunológico desencadeado por infecções virais – uma observação que deve ser levada em conta por profissionais de saúde na determinação e diagnóstico da presença – ou ausência - da doença celíaca.
Referência Bibliográfica: Ferrara F, Quaglia S, Caputo I, Esposito C, Lepretti M, Pastore S, Giorgi R, Martelossi S, Dal Molin G, Di Toro N, Ventura A, Not T. 2009. Anti-transglutaminase antibodies in non-coeliac children suffering from infectious diseases. Clin Exp Immunol. Nov 12.
--
Citar fonte como: Revista Vida sem Glúten e sem Alergias, 2010 (www.vidasemglutenealergias.com)
http://www.vidasemglutenealergias.com/exame-de-sangue-para-diagnostico-da-doenca-celiaca-pode-ser-positivo-em-nao-celiacos-devido-a-infeccoes/544/