terça-feira, 6 de setembro de 2011

Sindrome do Intestino Irritável



Síndrome do intestino irritável: entenda melhor a SII e sua relação com outras patologias gastrintestinais

junho 28, 2011
Distensão abdominal, sensação de estufamento, diarreias alternadas com intestino preso e episódios de cólicas são sintomas corriqueiros para muitas pessoas e, apesar de parecerem inofensivos, podem estar associados à Síndrome do Intestino Irritável (SII).
A SII é caracterizada por um conjunto de sintomas gastrointestinais crônicos ou recorrentes, os quais não são associados a lesões ou qualquer outra alteração estrutural do intestino. Pela falta de lesões ou exames bioquímicos que comprovem essa disfunção, seu diagnóstico é feito principalmente pela exclusão de desordens que apresentem sintomas muito parecidos como diverticulites, câncer de cólon, diarreia infecciosa, infecção parasitária, doença celíaca, intolerância à lactose, entre outras.

DIAGNÓSTICO, SINAIS E SINTOMAS

Inicialmente, o diagnóstico é realizado a partir dos Critérios de Roma III, de acordo com o Quadro 1 abaixo:
Quadro 1 – Critérios de Roma III
Dor ou desconforto abdominal associados a dois ou mais dos seguintes achados:
- Melhora com a defecação
- Início associado com alteração na frequência de evacuações (diarreia/constipação)
- Início associado com alteração na forma das fezes
Outros sinais e sintomas também têm sido apontados como elementos de reforço para o diagnóstico da SII, tais como: esforço excessivo durante a evacuação; urgência para defecar; sensação de evacuação incompleta; eliminação de muco nas fezes; distensão abdominal; além de quadros de ansiedade ou depressão.

PRINCIPAIS CAUSAS

A causa inicial da SII ainda é incerta e pouco esclarecida, mas acredita-se que, essencialmente, alterações nos movimentos do intestino (motilidade intestinal) estejam envolvidas. Dentre os fatores causais que já foram identificados, os mais comuns são: crescimento aumentado de bactérias maléficas, fungos e parasitas no intestino (disbiose intestinal), estresse, alimentação inadequada, alergias e intolerâncias alimentares – principalmente intolerância à lactose, produção enzimática insuficiente, além de irregularidades na secreção de hormônios intestinais responsáveis pela sua motilidade. Como não existe uma causa específica, é essencial identificar as causas para cada indivíduo e trabalhá-las de acordo com a sua individualidade bioquímica.

TRATAMENTO

O tratamento da Síndrome do Intestino Irritável dependerá de quais fatores causais provocam os sintomas no indivíduo, mas na maioria dos casos, uma melhor compreensão da Síndrome e mudanças alimentares são suficientes para reduzir os sintomas.
Há evidências de que mais de 50% dos pacientes com SII possuem hipersensibilidades alimentares tardias, isto é, elas podem ter reações a determinados alimentos após algumas horas ou até alguns dias após sua ingestão. Diante disso, recomenda-se identificar e eliminar esses alimentos da alimentação ou diminuir a frequência do seu consumo. Entre os alimentos mais associados à SII estão: leite e derivados, trigo, milho, café, frutas cítricas e chocolate.
Como a disbiose intestinal pode ser uma das causas da SII, a suplementação com probióticos e glutamina tem se mostrado eficiente na melhora dos sintomas. Além disso, o aumento do consumo de fibras também é recomendado, seja através da maior ingestão de frutas, vegetais e cereais integrais ou com o uso de suplementos, como psyllium, plântago, pectina e farelo de arroz; sempre adicionadas de maneira gradual para evitar uma maior distensão abdominal e produção de gases.
A suplementação de ácidos graxos ômega 3 e 6 também tem se demonstrado benéfica, já que esses compostos auxiliam na lubrificação do trato digestivo e contribuem para a redução da dor.
Recomenda-se também o uso de gengibre e ervas como camomila, melissa, valeriana e alecrim na forma de chás ou cápsulas, já que aumentam a liberação de gases e estimulam o tônus do estômago, reduzindo a dor.
Além destas medidas nutricionais, os indivíduos com SII também se beneficiam com técnicas de relaxamento e modificação do seu estilo de vida, o que os auxilia a lidar com as situações do dia-a-dia com menor estresse.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. DE SCHRYVVER, A.M.P; SAMSOM, M. New developments in the treatment of irritable bowel syndrome. Scand J Gastroenterol; 35(232): 38-42, 2000.
2. JONES, J.; BOORMAN, J.; CANN, P. et al. British Society of Gastroenterology guidelines for management of the irritable bowel syndrome. Gut; 47(II):1-19, 2000.
3. KORETZ, R.L.; ROTBLATT, M. Complementary and Alternative Medicine in Gastroenterology: the good, the bad, and the ugly. Clin Gastroenterol Hepatol; 2:957-967, 2004.
4. MARTIN, H.F. Use of diet and probiotic therapy in the irritable bowel syndrome. Analysis of the Literature. J Clin Gastroent; 39(3):243-246, 2005.
5. PARKES, G.C.; BROSTOFF, J.; WHELAN, K. et al. Gastrointestinal microbiota in irritable bowel syndrome: their role in its pathogenesis and treatment. Am J Gastroenterol; 103:1557-1567, 2008.
6. QUIGLEY, E.; FRIED, M.; GWEE, K.A. et al. Irritable bowel syndrome: a global perspective. World Gastroenterology Organization; 2009.
7. SHEN, Y.A.; NAHAS, R. Complementary and alternative medicine for treatment of irritable bowel syndrome. Can Fam Physycian; 55:143-148, 2009.
www.semlactose.com.br

VAMOS ENTENDER MELHOR VENDO ESTE VÍDEO
Mulher.com 25/08/2011 - Síndrome do intestino irritavel
www.youtube.com