quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Reumatismo e Doença celíaca



Doença Celíaca e Manifestações Reumáticas
DR. IVÂNIO ALVES PEREIRA
Doença celíaca ou enteropatia sensível ao glúten pode ser divida em três formas clínicas, uma na qual diarréia predomina, geralmente esteatorréia (eliminação de fezes gordurosas), uma segunda forma na qual queixas tipo fadiga e perda de peso são os sintomas mais comuns e uma terceira forma clínica que pode se manifestar por outras queixas variadas tais como as decorrentes das alterações ósseas.
Sabe-se que os sintomas intestinais da doença celíaca podem estar ausentes em até 50% dos pacientes. Sabe-se também que ocorre associação com outras doenças, tais como dermatite herpertiforme, diabetes mellitus e doenças auto-imunes.
Doença celíaca está ligada a alguns genes, e, assim a incidência em gêmeos idênticos é de 70%, confirmando a predisposição genética da doença.
Artrite é uma complicação reconhecida da doença, podendo ocorrer nas crianças e nos adultos. Em um estudo a artrite ocorreu em 52 de 200 indivíduos adultos portadores da doença celíaca. O tipo mais comum de artrite nos adultos é uma artrite de menos de quatro articulações acometidas, simétrica e recorrente, acompanhada de rigidez matinal e aumento de volume das articulações. A artrite comumente não é destrutiva, ou seja, não deforma as articulações acometidas e não dá grandes alterações no exame de Raio-X. O acometimento da coluna lombar pode ocorrer, em particular na região das articulações sacro-ilíacas na região posterior da bacia. Geralmente ocorre uma melhora clínica dos sintomas articulares com a dieta sem glúten. A causa da artrite nos pacientes com doença celíaca não está totalmente esclarecida.
Outra manifestação importante da doença celíaca é a perda de massa óssea levando a osteopenia ou osteoporose. Assim, pacientes com osteoporose em faixa etária jovem ou aqueles com osteoporose que não respondem de forma adequada ao tratamento devem ser investigado para a presença de doença celíaca. A doença celíaca leva a osteoporose por má absorção de cálcio, com conseqüente hiperparatireoidismo secundário. A osteoporose quando não reconhecida e tratada, também no paciente com doença celíaca, pode levar a fraturas ósseas. O reconhecimento da presença da osteoporose ou das queixas articulares nos pacientes com doença celíaca deve ser assim, uma parte importante no cuidado do pacientes celíaco, orientando este a ingerir cálcio adequado, exposição solar adequada, atividade física regular, e, principalmente, dieta sem glúten, a qual trata a causa da doença.
DR. IVÂNIO ALVES PEREIRA
Reumatologista do Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.
http://www.metas.com.br