quarta-feira, 13 de julho de 2011

A Gravidez e a Doença Celíaca!

** A gravidez e a doença celíaca.

**Mães celíacas não tratadas podem ter filhos prematuros e com menor peso.

Em um novo estudo publicado por pesquisadores dinamarqueses constatou-se que mulheres celíacas que não aderem à dieta sem glúten tem uma probabilidade significativamente maior de terem filhos prematuros ou com o peso abaixo do esperado no momento do nascimento.--------------
O estudo, conduzido por pesquisadores das Universidades de Arhus (Dinamarca), Cork (Dinamarca) e Manchester (Reino Unido) envolveu a análise do peso no nascimento e tempo de gestação de mais de 1400 bebês nascidos de mães celíacas no período entre 1979 e 2004. Destes, 1105 bebês nasceram de mães diagnosticadas com a doença celíaca há mais de 90 dias antes do início da gestação (consideradas pelos autores como ‘tratadas’, ou seja, teoricamente seguindo a dieta sem glúten), e 346 bebês nasceram de mães as quais foram diagnosticas com a doença celíaca apenas após o nascimento de seus filhos (consideradas como ‘celíacas não tratadas’ durante a gestação).
Os pesquisadores verificaram que, no caso de mães celíacas não tratadas (ou seja, que não haviam sido dignosticadas previamente à gestação), o peso dos bebês no momento do nascimento foi significamente menor do que o peso de crianças nascidas de mães não celíacas, mesmo daquelas com o mesmo tempo de gestação. Em média, o peso das crianças de mães não tratadas foi cerca de 100g mais baixo. Além disso, a probabilidade de parto prematuro também foi maior no caso das mães celíacas não tratadas.
Por outro lado, os autores não encontraram nenhuma diferença entre o peso e tempo de gestação de recém nascidos de mães não celíacas e o peso e tempo de gestação de recém nascidos de mães celíacas que já haviam sido diagnosticadas antes da gravidez. A partir destes resultados os pesquisadores sugerem que a adoção da dieta sem glúten parece ser capaz de reverter os efeitos da doença celíaca no peso final e tempo de gestação do feto. Além disso, a pesquisa mostra a importância do diagnóstico precoce da doença e da adoção da dieta sem glúten.


*Fonte:
A.S. Khashan, T.B. Henriksen, P.B. Mortensen, R. McNamee, F.P. McCarthy, M.G. Pedersen, and L.C. Kenny. 2010. The impact of maternal celiac disease on birthweight and preterm birth: a Danish population-based cohort study. Human Reproduction, Vol.25, No.2 pp. 528–534,




** Fertilidade e gravidez em mulheres com doença celíaca .


Na Universidade de Chicago Doença Celíaca Programa, as mulheres com doença celíaca, que recentemente se tornaram grávidas, muitas vezes em contato conosco. Notavelmente, as perguntas que recebemos essas mulheres raramente desvia de um assunto, ou seja, se quer ou não manter uma dieta livre de glúten durante a gravidez. A maioria das mulheres acreditam erroneamente que a dieta livre de glúten vai privar seu feto em desenvolvimento com os nutrientes que necessidades e machucar o bebê crescer. Na verdade, para uma mulher grávida com doença celíaca, permanecendo no livre de glúten da dieta é a melhor ea única opção para a saúde da mãe e da criança. A dieta sem glúten proporciona às mulheres grávidas e seus bebês com todos os nutrientes de que necessitam para crescer e ser saudável.
Felizmente, para todos os interessados, tem havido estudos de investigação de excelência em fertilidade, gravidez e doença celíaca conduzido por investigadores top-notch em todo o mundo. Quando esta pesquisa importante foi focada principalmente nas mulheres, é importante notar que os pesquisadores têm estabelecido (desde 1950) que os homens também sofrem de infertilidade devido a doença celíaca não diagnosticada.
Em estudos de investigação até à data, a incidência de doença celíaca em mulheres com infertilidade inexplicada foi estimado em 4-8 por cento. Enquanto alguns estudos demonstraram que a infertilidade inexplicada pode ser tratada com sucesso com a dieta livre de glúten, outros têm demonstrado que existem outros fatores que 
má absorção de nutrientes que resultam em infertilidade, menarca tardia (início do ciclo menstrual) e menopausa precoce.
Em dois grandes estudos de caso controle, os pesquisadores examinaram a incidência da menarca tardia, amenorréia (interrupção do ciclo menstrual, por curtos períodos de tempo) e menopausa precoce. Ambos os estudos envolveram mulheres com doença celíaca, que seguiam a dieta livre de glúten ou comendo uma dieta contendo glúten.
Eles descobriram que mulheres que não estavam na dieta livre de glúten iniciou o seu ciclo menstrual até um ano e meio mais tarde do que as mulheres com doença celíaca, que seguiam a dieta. Além disso, os pesquisadores descobriram que até 39% das mulheres não na dieta experimentou períodos de amenorréia, em comparação com apenas nove por cento das mulheres que estavam na dieta livre de glúten. Como seria de esperar, as mulheres com doença celíaca, que não estavam na dieta livre de glúten foram encontrados para entrar menopausa quatro a cinco anos mais cedo do que as mulheres com doença celíaca, que estavam na dieta.
Pesquisadores que estudaram mulheres com infertilidade descobriram que teste positivo para doença celíaca relacionadas com 
anticorpos em uma taxa que é dez vezes superior à da população normal. . Eles também demonstraram que as mulheres com infertilidade que são diagnosticados com doença celíaca exibem ferro sempre não, B-12, ou deficiências de folato, que aponta para outros celíaca, doença relacionada explicações para o desenvolvimento de sua infertilidade.
Os pesquisadores também estudaram o efeito da dieta sem glúten em mulheres grávidas com doença celíaca, a fim de determinar qualquer impacto sobre o desenvolvimento do feto e do resultado da gravidez. Em um estudo com 25 pacientes e 60 investigadores de gestações, 21% das mulheres que não estavam na dieta livre de glúten de perda da gravidez experientes, e 16% das mulheres experimentaram restrição do crescimento fetal. Os pesquisadores também observaram, no entanto, que as gravidezes bem sucedidas ocorreram antes e após o diagnóstico de muitas mulheres no estudo.
Em um grande estudo dinamarquês com 211 crianças e 127 mães com doença celíaca, os pesquisadores descobriram que o peso médio de crianças nascidas de mães em uma dieta contendo glúten foi significativamente menor do que bebês nascidos de mães sem doença celíaca. Curiosamente, este mesmo estudo determinou que as mulheres sobre a dieta livre de glúten deu à luz a crianças com um peso mais do que aqueles nascidos de mães sem doença celíaca!
Em um controle de estudo de caso que analisou o efeito da dieta livre de glúten na gravidez e lactação, investigadores descobriram que as mulheres com doença celíaca, que não estavam na dieta livre de glúten de perda da gravidez experientes, a uma taxa de 17,8%, em comparação com 2,4% das mulheres com doença celíaca que estavam na dieta livre de glúten. Estes pesquisadores descobriram que não houve diferença na ocorrência da gravidez e problemas de fertilidade em mulheres com diagnóstico clínico (teste positivo de sangue sub-negativo,
biópsia ) ou doença clínica (exame de sangue positivo, a biópsia positiva).
Finalmente, em um grupo de mulheres com doença celíaca, que estava grávida mais uma vez, os investigadores olharam o efeito da dieta sem glúten em suas futuras gestações. Eles concluíram que a instituição da dieta sem glúten no momento do diagnóstico causou uma queda de 35,6% em relação à perda da gravidez, queda de 29,4% em bebês de baixo peso e um aumento de dois meses e meio da amamentação.
Embora a má absorção de nutrientes não é a única causa da fertilidade e problemas relacionados com a gravidez de mulheres com doença celíaca, a dieta livre de glúten é essencial para melhorar a saúde das mulheres e seus bebês.


Por: Michelle Melin-Rogovin
Michelle Melin-Rogovin é o diretor do programa da Universidade de Chicago Doença Celíaca Programa. Ms. Melin-Rogovin tem 12 anos de experiência em cuidados de saúde e defesa do paciente, trabalhando com crianças e adultos que enfrentam uma variedade de condições médicas crônicas.