sexta-feira, 18 de maio de 2012

Retirada do glúten e do leite


Glúten e derivados do leite só devem sair da dieta em último caso

Cortar esses alimentos é imperativo para quem sofre de doença celíaca ou tem intolerância à lactose. Mas a prescrição virou moda: até dietas de emagrecimento já mandam riscar essas substâncias do cardápio. Veja o que dizem os especialistas sobre os riscos de abolir o glúten e a lactose

Daniela Macedo
«
»

Glúten

(Felipe Rau/AE)
Quem deve deixar de consumir: portadores da doença celíaca, que atinge entre 1% e 3% da população. Nessas pessoas, a ingestão de glúten desencadeia um processo inflamatório na mucosa intestinal que compromete a absorção de nutrientes, o que pode provocar desde anemia até distúrbios graves, como osteoporose e câncer
Risco de cortar o consumo sem indicação médica: a proteína do trigo está presente em praticamente todos os alimentos que contêm carboidratos, inclusive pães, biscoitos, massas e cerveja. Mas cortá-la da dieta não é recomendável. “Os cereais integrais, que contêm glúten, oferecem diversos benefícios à saúde. Como são ricos em fibras, eles melhoram o trânsito intestinal, ajudam a reduzir a absorção de colesterol e aumentam a sensação de saciedade”, explica o endocrinologista e nutrólogo João Cesar Castro Soares, da Unifefesp.
Leite
(Royalty Free)
Quem deve deixar de consumir: o déficit de enzimas responsáveis pela digestão da lactose (açúcar do leite) atinge cerca de 20% da população. Há, porém, diferentes graus de intolerância à lactose. “Nos casos mais leves, não é preciso eliminar o consumo de derivados de leite, pois o processo de fermentação na fabricação de iogurtes e queijos reduz a concentração de lactose do alimento sem comprometer sua taxa de cálcio”, diz o nutrólogo Durval Ribas Filho
Risco de cortar o consumo sem indicação médica: abolir o consumo de lactose e, consequentemente, de leite e seus derivados, aumenta o risco de osteoporose, já que grande parte do cálcio absorvido de alimentos vem dos laticínios