quarta-feira, 16 de março de 2011

Glúten e Enxaqueca-reportagem Folha de São paulo



Vejam a reportagem do caderno Equilíbrio da Folha de São Paulo, postada hoje terça-feira, 15 de março de 2011 sobre a ingestão e relação entre "Glúten e enxaqueca".

*********
Suzana Herculano-Houzel
Glúten e Enxaqueca



Muitas pessoas já conheciam o que descobri por acaso: a relação entre a minha dor e a dieta



"Eu tenho enxaqueca. Ou melhor, tinha. 
Há nove lindos meses não sei o que é a dor de uma crise nem o desconforto da aura cintilante que a prenuncia. E há nove meses eu resolvi cortar radicalmente o glúten da minha dieta. Coincidência?
A razão inicial para eliminar o glúten foi digestiva: sinto-me muito melhor e mais leve, e nunca mais tive a sensação de ficar empanzinada ou inchada após as refeições.
Essa parte é fácil de explicar. O glúten é uma proteína presente no trigo, na cevada e no centeio que, quando misturada com água (por exemplo a da sua saliva), forma uma verdadeira cola que adere às paredes do estômago e do intestino e atrapalha a digestão e a absorção de alimentos. Lembra da cola que sua avó fazia com farinha de trigo e água? É essa mesma, só que dentro de você.
Após alguns meses da nova dieta, eu, que costumava ter duas ou três enxaquecas por mês, notei que ainda não havia tido nenhuma. Com mais seis meses de experimento, resolvi comunicar o achado ao neurologista -que se mostrou cético, como eu esperava. Mas disse que muitas pessoas que sofrem de doença celíaca, com intolerância absoluta ao glúten, costumam ter uma dor "semelhante à enxaqueca" -embora duvidasse que eu tivesse a doença.
Fui consultar meus outros "médicos": o Dr. Google e o Dr. Pubmed, este último com acesso a todas as publicações em biomedicina no mundo desde 1965.
O primeiro mostrou, para minha surpresa, que inúmeras pessoas mundo afora já conheciam o que eu descobri por acaso: que suas enxaquecas sumiam sem glúten na dieta. E o segundo me confirmou que existe, sim, uma "síndrome de sensibilidade ao glúten": conjunto de sintomas que incluem a enxaqueca, na ausência da degeneração intestinal que caracteriza a doença celíaca (a diferença talvez seja apenas de grau).
O problema parece estar relacionado a anticorpos que o corpo fabrica contra o glúten, não se sabe ainda se por razão alérgica ou autoimune.
Os anticorpos acabam causando inflamação no intestino e, ao que parece, também perturbam o cérebro.
Veja, isso não quer dizer que toda enxaqueca é relacionada ao glúten. Mas talvez algumas sejam, e eliminar o glúten da dieta é fácil o suficiente para valer a pena tentar. A única coisa que não estou disposta a fazer é o experimento final: reinserir o glúten na minha dieta e esperar a enxaqueca voltar..."


SUZANA HERCULANO-HOUZEL, neurocientista, é professora da UFRJ e autora de "Pílulas de Neurociência para uma Vida Melhor" (ed. Sextante) e do blog www.suzanaherculanohouzel.com