quinta-feira, 4 de junho de 2015

OS MARCADORES SEROLÓGICOS NO DIAGNÓSTICO DA DOENÇA CELÍACA

A Doença Celíaca é uma doença subdiagnosticada. Estudos revelam uma prevalência de 1% da população, no entanto apenas 10 a 15% dos pacientes estão diagnosticados. É uma doença Autoimune e caracteriza-se pela intolerância imunológica aos resíduos de glutamina do glúten, originando uma inflamação crônica e atrofia das vilosidades do intestino delgado.
Os marcadores serológicos frequentemente utilizados no diagnóstico da Doença Celíaca são o Anticorpo Anti-Transglutaminase tissular (tTG) IgA/IgG e em situações de valores positivos nos resultados, deve ser sempre confirmado pelo Anticorpo Antiendomísio IgA, pois este é o teste mais específico no diagnóstico desta doença.
Antes da realização dos testes serológicos, o médico assistente deve ter em consideração que o doente não pode iniciar uma dieta isenta de glúten até à confirmação do diagnóstico, quer pelos testes serológicos, quer pela biópsia intestinal e em situações cujos pacientes são crianças, os testes não devem ser realizados antes do glúten ter sido introduzido na alimentação.
O Anticorpo Anti-Transglutaminase tissular (tTG) IgA/IgG é bastante útil no diagnóstico, mas também na monitorização da terapêutica. O antigénio contra o qual o Antiendomísio está dirigido é a Anti-Transglutaminase tissular (tTG). Os anticorpos anti-tTG são bastante sensíveis e específicos para o diagnóstico da Doença Celíaca.
O seu valor pode normalizar entre 6 a 12 meses depois de iniciar a dieta. O anticorpo Antiendomísio IgA liga-se ao endomísio, tecido ao redor da musculatura lisa, produzindo um padrão de coloração característico que é visualizado por imunofluorescência indireta. O teste para o Anticorpo Antiendomísio IgA é sensível e altamente específico para a Doença Celíaca não tratada, isto é em estado ativo.
No diagnóstico da Doença Celíaca pode igualmente ser utilizado o Anticorpo Anti-Gliadina (AGA) IgA/IgG. As gliadinas são as principais proteínas presentes no trigo, que conjuntamente são designadas de glúten. A gliadina purificada é utilizada como antigénio nos testes ELISA para a deteção de anticorpos antigliadina no soro. Os níveis séricos da antigliadina estão frequentemente elevados na Doença Celíaca não tratada. No entanto, os testes Anti-Gliadina não são realizados como prática de rotina, devido à baixa sensibilidade e especificidade.
O risco de Doença Celíaca é cerca de 10-20 vezes superior em doentes com deficit de IgA do que na população normal. Após o diagnóstico da doença é importante que os doentes que realizam uma dieta isenta de glúten sejam acompanhados constantemente através da realização de análises de monitorização.
A eliminação do glúten na alimentação vai permitir a cura da lesão intestinal e que o intestino volte a funcionar normalmente. Se houver ingestão de glúten, mesmo em pequena quantidade, a atrofia das vilosidades intestinais regressa e os sintomas reaparecem.
http://lifestyle.sapo.pt/saude/saude-e-medicina/artigos/os-marcadores-serologicos-no-diagnostico-da-doenca-celiaca?artigo-completo=sim
Por Germano de Sousa, Médico Especialista em Patologia Clínica
Germano de Sousa, Médico Especialista em Patologia Clínica